Você está aqui: Página Inicial / Internacional / 2009 / 07 / Zelaya nega possibilidade de ir aos Estados Unidos negociar

Zelaya nega possibilidade de ir aos Estados Unidos negociar

Presidente conclama rebelião de militares contra cúpula militar que há quase um mês realizou golpe de Estado
por Da Redação publicado , última modificação 27/07/2009 12h15
Presidente conclama rebelião de militares contra cúpula militar que há quase um mês realizou golpe de Estado

(Foto: Divulgação)

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, afirmou ter negado o convite para encontrar-se com a secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton. O encontro, que deveria ocorrer nesta terça-feira (28) em Washington, poderia marcar o respaldo estadunidense ao político.

Zelaya, que continua acampando na fronteira entre seu país e a Nicarágua, argumentou que “não posso deixar aqui a gente que está vindo de Honduras”. Ao mesmo tempo, ele pediu que os Estados Unidos denunciem “a repressão, a violação de direitos humanos, da liberdade de imprensa, todas as perseguições” que estão ocorrendo no país.

 No domingo (26), Zelaya pediu que os soldados e oficiais de alto escalão das Forças Armadas rebelem-se contra a cúpula militar. "Como comandante-geral das Forças Armadas peço aos militares patriotas que pensem em seus filhos, que pensem em sua família, que se rebelem contra Romeo Vásquez", afirmou, referindo-se ao chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Honduras.

As declarações são emitidas no mesmo momento em que os militares mostram-se favoráveis ao acordo entre golpistas e depostos proposto pela Costa Rica. Romeo Vasquez declarou que apoiará uma solução negociada para a crise, mas nunca com a restituição de Zelaya.

Com informações da Reuters e da Agência Bolivariana de Notícias.

 

registrado em: , , ,