Você está aqui: Página Inicial / Internacional / 2009 / 07 / Uribe aceita mediação de senadora da oposição com Farc

Uribe aceita mediação de senadora da oposição com Farc

Presidente colombiano recua da intenção de não permitir que Piedad Córdoba conversasse com guerrilheiros
por ANSA publicado , última modificação 08/07/2009 16h53
Presidente colombiano recua da intenção de não permitir que Piedad Córdoba conversasse com guerrilheiros

BOGOTÁ - O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, autorizou nesta quinta-feira (8) a mediação da senadora de oposição Piedad Córdoba na libertação dos 24 reféns em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em uma operação que deve ser realizada junto com a Cruz Vermelha e a Igreja católica.

A condição para mediação da senadora, em quem a guerrilha diz confiar, é que as 24 pessoas que o grupo armado mantêm em cativeiro sejam libertadas simultaneamente. O mandatário fez questão de reiterar que a libertação "deve ser de todos os sequestrados, de forma simultânea".

Com autorização do presidente, a senadora havia participado de uma operação bem sucedida de libertação de seis reféns das Farc em fevereiro deste ano. Na ocasião, o governo brasileiro também ajudou na logística que permitiu a libertação.

Em abril, a guerrilha anunciou de forma unilateral a libertação do cabo do Exército Pablo Emilio Moncayo, que é mantido em cativeiro há 11 anos. Para isso, contudo, exigiu que Córdoba mediasse a entrega de Moncayo.

A exigência foi negada por Uribe, que autorizou a participação somente da Cruz Vermelha e da Igreja católica na operação. Isso fez com que as negociações ficassem travadas até hoje, apesar dos intensos pedidos feitos ao presidente pelo pai do oficial sequestrado, Gustavo Moncayo.

No dia 29 de junho, as Farc anunciaram a intenção de libertar mais um refém, o soldado Josué Daniel Calvo Núñez. O grupo guerrilheiro manteve a exigência de que o prisioneiro seja solto somente com a intervenção de Córdoba.

De acordo com informações das próprias Farc, sabia-se que 22 oficiais das forças de segurança foram sequestrados, além do capitão da polícia Julián Guevara, que morreu em cativeiro. Desta forma, ainda não se sabe quem seriam os outros dois prisioneiros dos guerrilheiros.

A nova posição do governo colombiano foi anunciada hoje por Uribe no aeroporto militar de Bogotá, pouco antes de partir para os Estados Unidos, onde participará de uma série de conferências no estado de Idaho.

registrado em: ,