Você está aqui: Página Inicial / Esportes / jogos-olimpicos / Brasil é destaque dos principais jornais do mundo

Brasil é destaque dos principais jornais do mundo

Os sites dos jornais mundiais estampam a conquista do Rio como sede das olimpíadas de 2016; veja o álbum com as manchetes
por Redação da RBA publicado , última modificação 02/10/2009 20h04
Os sites dos jornais mundiais estampam a conquista do Rio como sede das olimpíadas de 2016; veja o álbum com as manchetes

O espanhol El Mundo destaca o abraço de Lula no emocionado Pelé

Em meio a reações decepcionadas dos países concorrentes, o Brasil está em festa com a vitória do Rio de Janeiro. Os sites dos principais veículos de comunicação do mundo dão glórias ao país. O espanhol El País destacou “Rio ganha, Madri diz adeus ao sonho”. O El Mundo, também da Espanha, afirmou que Madri chegou perto, mas quem levou foi o Rio. 

Sede dos últimos jogos olímpicos, o principal jornal chinês em língua inglesa, o China Daily estampou “Samba! Rio ganha.” Dos Estados Unidos, a CNN destacou que a vitória do Rio de Janeiro trouxe lágrimas ao presidente Lula, que esfregou os olhos várias vezes durante o anúncio. Do Japão, o jornal Asaki Shinbun mostra a reação da comitiva brasileira no momento exato em que o Rio é declarado cidade-sede.

Afora a repercussão, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que seu desejo era ter voltado de Copenhague com uma "notícia melhor" que a da derrota de Chicago para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Apesar da decepção, parabenizou a vitória do Rio de Janeiro. "Você pode jogar uma grande partida e, ainda assim, não ganhar", disse Obama a jornalistas na Casa Branca ao voltar da Dinamarca. Obama esteve pessoalmente na cerimônia de apuração dos votos na tentativa de ajudar Chicago, seu berço político. 

Já os espanhóis, que se reuniram para torcer pela candidatura olímpica de Madri se dispersaram em clima de tristeza, mas sem surpresa pela vitória do Rio. Alguns poucos brasileiros acenavam e dançavam depois do resultado, cercados por uma pacata multidão de espanhóis, na história Plaza del Oriente, onde milhares de pessoas se reuniram diante de um telão e vibraram quando receberam a notícia de que Chicago e Tóquio estavam fora da disputa. 

Embora o entusiasmo tenha sido grande depois da eliminação de Chicago, que chegou a ser considerada favorita devido à presença de Obama, no processo de escolha, muitos disseram não esperar que Madri sediasse a Olimpíada de 2016, apesar do empenho do prefeito Alberto Ruiz Gallardón, do rei Juan Carlos e do primeiro-ministro José Luis Rodríguez Zapatero. 

Foi a terceira vez que a capital espanhola tentou receber os Jogos. "É lógico, a América do Sul nunca sediou os Jogos, e eles (o COI) nunca os dariam a duas cidades europeias em seguida. Não fiquei surpreso," disse o técnico de tecnologia da informação Miguel Angel, 36, referindo-se ao fato de que a Olimpíada de 2012 será em Londres.  

Falando de Copenhague pela tevê, Zapatero cumprimentou o Rio, mas acrescentou que a candidatura espanhola foi a melhor possível. "Ganhou o samba, não o esporte," queixou-se Amador García, 50, que viajou de Ciudad Real para acompanhar a votação em Madri. O presidente Lula também deu seu recado. “Queria dizer ao companheiro Obama, ao companheiro Zapatero que me desculpem por estar feliz e vocês tristes. Vocês já foram felizes muitas vezes e nós tristes muitas vezes. Temos o direito de felicidade hoje e vocês valorizaram a nossa disputa”, discursou. 

Emoção e cobranças

Segundos após receber a notícia da vitória, em frente a um televisor colocado em uma rua da Saara [Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega], no centro de comércio popular da cidade, a aposentada Márcia dos Santos Souza disse que o evento pode trazer coisas boas para o país, mas preferia que os recursos fossem investidos em outras áreas, como saúde e segurança pública. “Nós temos muita violência no Rio de Janeiro, muita coisa errada. Os hospitais estão caindo aos pedaços. O dinheiro poderia ir para a saúde, a educação e para acabar com essa bandidagem”, criticou ela, ao lado do filho de 11 anos, para quem tenta conseguir um exame de tomografia há um ano, sem sucesso.

Sabedor das cobranças, o presidente Lula disse na coletiva para os jornalistas em Copenhague. “Queria dizer a vocês que a minha responsabilidade aumenta porque nós vamos começar a trabalhar as Olimpíadas amanhã” e emendou “Hoje é talvez o dia mais emocionante da minha vida, um dia que senti muito mais orgulho de ser brasileiro do que já sentia. O Rio merece, o Brasil merece e, sobretudo, o povo brasileiro merece”, discursou emocionado. 

Com informações da Reuters e Agência Brasil