Você está aqui: Página Inicial / Esportes / 2015 / 07 / Diretor do COB avalia participação do país nos Jogos Pan-Americanos

Toronto

Diretor do COB avalia participação do país nos Jogos Pan-Americanos

Além de apresentar aspectos da evolução do esporte no país, diretor comenta participação de atletas ligados a Forças Armadas
por Redação RBA publicado 16/07/2015 13h29, última modificação 16/07/2015 16h00
Além de apresentar aspectos da evolução do esporte no país, diretor comenta participação de atletas ligados a Forças Armadas
Beth Santos / Prefeitura do Rio de Janeiro
time brasil cob

Freire: "A evolução desportiva do Brasil tem sido muito grande. Temos muito mais atendimento"

São Paulo – O diretor de esportes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Marcus Vinícius Freire, faz um balanço positivo da atuação do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. “Traçamos como estarmos entre os três países com maior número de medalhas. Hoje, estamos em terceiro e isto está dentro do planejamento. Este é um degrau para os Jogos Olímpicos”, diz, em entrevista à Rádio Brasil Atual.

Freire, em seu sexto Pan – um como jogador da seleção de vólei e os demais como membro do COB –, vê um evolução do esporte olímpico brasileiro. “Hoje temos um financiamento muito maior com o ministério dos Esportes e grandes patrocinadores do esporte”.

Um dos aspectos que têm chamado a atenção é o fato de que parte da delegação brasileira tem patente militar. Dos quase 600 integrantes da delegação, 123 são atletas vinculados às Forças Armadas, que prestam continência à bandeira ao subir no pódio. O diretor do COB minimiza a polêmica despertada. “Esta ação com os militares, começamos em 2009. Fizemos uma parceria para incorporar atletas às Forças. Eles complementam salário dos atletas, pagam viagens, equipamentos e instalações militares auxiliam na preparação”, diz.

Outro assunto que ganhou atenção foi o discurso politizado de Joanna Maranhão, postado em seu Facebook, sobre o cenário atual do Congresso brasileiro. “Este assunto já foi ultrapassado. Ela falou antes de chegar aqui. Nós damos todo o direito dos atletas se manifestarem. Isto deve ser completamente democrático. Eu mesmo fui atleta e falava muito e continuo falando. Total democracia para falar e foco nos resultados”, diz.

Confira a entrevista completa para a Rádio Brasil Atual: