Você está aqui: Página Inicial / Esportes / 2012 / 01 / Protesto no Rio neste sábado pede Maracanã público

Protesto no Rio neste sábado pede Maracanã público

Ato contra privatização coincide com abraço simbólico organizado para pedir mais um jogo do Brasil na Copa sediado no Rio de Janeiro
por Redação da RBA publicado , última modificação 11/01/2012 18h16
Ato contra privatização coincide com abraço simbólico organizado para pedir mais um jogo do Brasil na Copa sediado no Rio de Janeiro

São Paulo – Uma mobilização de torcedores critica, em protesto programado para este sábado (14), no Rio de Janeiro, o plano de privatização do estádio Mário Filho, o Maracanã. A manifestação prevê concentração às 9 horas na Estátua do Bellini, entrada principal da arena, em obras para a Copa das Confederações, em 2013, e para a Copa do Mundo de 2014. A ação ocorre no mesmo dia de um abraço simbólico que pede "mais um jogo" da Seleção Brasileira no Rio de Janeiro durante o Mundial.

Com o lema "O 'Maraca' é nosso", a Frente nacional dos Torcedores conta com apoio de outros movimentos sociais, parlamentares e entidades estudantis e sindicais. O protesto foi articulado a partir de declarações da secretária estadual de Esporte e Lazer, Márcia Lins, de que o Maracanã seria privatizado pela gestão de Sérgio Cabral (PMDB). A alegação do governo fluminense é de que o estado não tem capacidade para administrar um estádio moderno.

A crítica do movimento é de que foi investido R$ 1 bilhão em reformas do Maracanã nos últimos 10 anos. A venda ou concessão à iniciativa privada implicaria entregar o patrimônio que, segundo a própria gestão estadual, será rentável após a conclusão das obras. O Maracanã é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Por isso, os ativistas acreditam que a reforma praticada traz o risco de descaracterização do local.

O abraço ao Maracanã, por outro lado, é uma nova manisfestação do movimento "O Rio Merece Mais um Jogo", que realizou ação no dia 6 de janeiro na avenida Rio Branco. O ato é voltado a pressionar os organizadores do Mundial de futebol a rever o calendário e as sedes de partidas durante a competição.

Confira o vídeo de convocação do protesto