Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2018 / 07 / Semana dedicada à obra de Guimarães Rosa chega à 30ª edição

Literatura brasileira

Semana dedicada à obra de Guimarães Rosa chega à 30ª edição

Admiradores e estudiosos se reúnem em Cordisburgo (MG), onde nasceu o escritor, para participar de diversas atividades, de hoje até sábado
por Redação RBA publicado 16/07/2018 14h19, última modificação 16/07/2018 14h29
Admiradores e estudiosos se reúnem em Cordisburgo (MG), onde nasceu o escritor, para participar de diversas atividades, de hoje até sábado
Divulgação
guimarães rosa

Neste local, onde ele morou quando criança, funciona hoje o Museu Casa Guimarães Rosa, em Cordisburgo

São Paulo – Começa na noite desta segunda-feira (16) a 30ª edição da Semana Roseana, em Cordisburgo (MG), cidade natal de João Guimarães Rosa. Todos os anos, estudiosos e admiradores da obra do escritor, vindos de várias regiões, se reúnem para participar de atividades como saraus, oficinas, cursos, palestras, leituras e caminhadas. 

Neste ano, o tema é o livro No Urubuquaquá, no Pinhém, originalmente publicado em Corpo de Baile, de 1956. A abertura está marcada para as 20h de hoje, no Museu Casa Guimarães Rosa – local onde ele morou, quando criança –, depois de missa em homenagem ao escritor e acadêmicos. Em seguida, haverá narração pelo Grupo Miguilim, formado por jovens da cidade, e abertura de exposições. 

Já na terça (17), às 7h30, haverá caminhada literária urbana com o Grupo Caminhos do Sertão, com o tema A Hora e Vez de Augusto Matraga. O Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB-USP) promoverá roda de leitura às 16h, no museu. À noite, estão programados sarau poético e exibição de documentário. Confira a programação completa aqui.

O evento termina no sábado (21), quando ocorre a tradicional caminhada eco-literária, em uma área próxima da cidade. Ainda haverá sessões solenes na Academia Cordisburguense de Letras e na Câmara Municipal, além de forró.

Escritor e diplomata, Guimarães Rosa nasceu em 27 de junho de 1908 e morreu em 19 de novembro de 1967, no Rio de Janeiro, apenas três dias depois de tomar posse na Academia Brasileira de Letras (ABL) – ele havia sido eleito em 1963, mas resistia a ocupar a cadeira. 

Entre as suas obras, estão Sagarana (1946), Grande Sertão: Veredas (1956), Primeiras Estórias (1962), Manuelzão e Miguilim (1964) e Tutameia (1967).