Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2018 / 07 / Grupo teatral apresenta peça inspirada na vala clandestina de Perus

Estreia sexta-feira

Grupo teatral apresenta peça inspirada na vala clandestina de Perus

Espetáculo será encenado em ocupação artística no bairro da zona noroeste de São Paulo
por Redação RBA publicado 11/07/2018 16h20, última modificação 20/07/2018 16h10
Espetáculo será encenado em ocupação artística no bairro da zona noroeste de São Paulo
divulgação
espetaculo sobre ossadas.jpg

Espetáculo aborda período 1970-1990, "épocas distintas que se entrelaçam", e conta um pouco da história recente do país

São Paulo – A descoberta de uma vala clandestina no Cemitério Dom Bosco, em Perus, região noroeste de São Paulo, inspirou o Grupo Pandora de Teatro a montar um espetáculo baseado nesse episódio ocorrido em setembro de 1990. Foram encontradas mais de mil ossadas no local, incluindo desaparecidos políticos, iniciando uma polêmica que dura até hoje. A peça Comum estreia nesta sexta-feira (13), às 20h, e terá apresentações até 4 de agosto, em ocupação no próprio bairro.

Desde que a vala foi descoberta, começaram as gestões para identificação das ossadas, que cumpriram um longo e tortuoso trajeto nestas mais de duas décadas, período durante o qual as investigações foram interrompidas e retomadas em 2014. Apenas em fevereiro deste ano, um laboratório no Leste Europeu confirmou o nome do militante político Dimas Antônio Casemiro, assassinado em abril de 1971, em São Paulo.

"Um jovem em busca de informações sobre o desaparecimento de seus pais, dois coveiros envolvidos com a criação da vala e uma estudante que se aproxima do ativismo político", diz a sinopse do espetáculo, citando o período 1970/1990, em que "épocas distintas se entrelaçam e evidenciam causas e consequências".

O Grupo Pandora foi fundado em julho de 2004, a partir do Projeto Teatro Vocacional da Secretaria de Cultura de São Paulo. Com duração de 100 minutos e faixa etária de 12 anos, a encenação será apresentada na Ocupação Artística Canhoba-Cine Teatro Pandora, na Rua Canhoba, 299, em Perus, às sextas-feiras (20h) e sábados (19h). O ingresso será pago com contribuições voluntárias.

Leia mais:

Identificação de ossada aponta caminho oposto da atual situação política, diz Sottili

Vala de Perus: o primeiro nome sai da caixa e do esquecimento

Acordo viabiliza manutenção de trabalho sobre ossadas de Perus

Perus, um encontro de histórias para preservar a memória