Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2018 / 02 / Marx: as lutas dos trabalhadores ganham versões para crianças

Literatura

Marx: as lutas dos trabalhadores ganham versões para crianças

Luta de classes, jornada de trabalho, salário justo e mais-valia são explicados de forma lúdica no 'O Capital para Crianças'. Boitempo também lança biografia de Marx em HQ e 'O Deus Dinheiro'
por Redação RBA publicado 25/02/2018 19h11, última modificação 26/02/2018 12h06
Luta de classes, jornada de trabalho, salário justo e mais-valia são explicados de forma lúdica no 'O Capital para Crianças'. Boitempo também lança biografia de Marx em HQ e 'O Deus Dinheiro'
Reprodução
Vovô

Marx se transforma em vovô Carlos para contar para crianças a partir de sete anos como o capitalismo funciona

São Paulo – Sempre que vão visitar o vovô Carlos, seus netos pedem que ele conte uma história. O que os pequenos não esperavam dessa vez é que a aventura não teria dragões nem princesas nem nada fantasioso. Ao contrário. Vovô decidiu contar algo que aconteceu de verdade e que continua acontecendo em vários lugares do mundo: as incríveis histórias de luta dos trabalhadores. É o que traz o novo livro do selo infanto-juvenil Boitatá, da Boitempo Editorial, 'O Capital' para Crianças, adaptado pelo escritor catalão Joan R. Riera e com ilustrações de Liliana Fortuny.

O filósofo alemão Karl Marx se transformou no vovô Carlos para contar para crianças a partir de sete anos como o capitalismo funciona e para explicar, de forma lúdica, simples e sensível, questões como salário, a exploração da mão-de-obra, a importância das greves e lutas dos trabalhadores para a conquista de melhores condições laborais, tudo o que envolve a mais-valia e o lucro dos empresários, entre outros temas.

Reproduções Livro
O Capital' para Crianças, de Joan R. Riera e Liliana Fortuny, Boitatá Editorial, 32 páginas, R$ 37
No livro, Frederico não entende por que a meia que ele produz custa no mercado duas libras, sendo que ele ganha apenas 25 centavos pela produção de cada par. Um amigo explica que o valor inclui os gastos da empresa com os salários, o carvão, a lã, os custos com as máquinas etc. Mesmo assim, a conta não fecha. Por isso, sua amiga Rosa decide se debruçar sobre aqueles números e acaba descobrindo que 1,35 libra corresponde, na verdade, ao lucro do patrão. “Bom… Sabe o que eu acho? Que esse tal de ‘mais-valor’ deveria se chamar ‘trabalho não pago ao trabalhador’. É muito injusto!”, retruca Frederico.

Ao final do livro, o leitor encontra uma página que traz questões instigantes sobre a história, conteúdo que também pode ser usado em grupo, na escola ou em casa. 'O Capital' para Crianças introduz aos pequenos a raiz das injustiças sociais de uma forma totalmente palatável, como uma forma de instigar o pensamento crítico desde muito cedo. Este é o objetivo do selo Boitatá: promover o aprendizado, o questionamento crítico e a construção de um senso de justiça social por meio da literatura.

RBA HQ
'Marx, Uma Biografia em Quadrinhos', de Corinne Maier e Anne Simon, Barricada Editorial, 64 páginas, R$ 45
RBA Deus
'O Deus Dinheiro', de Karl Marx, com ilustrações de Maguma, Boitatá Editorial, 64 páginas, R$ 69
A Boitempo Editorial tem lançado diversas obras para celebrar o bicentenário do alemão. Uma delas, Marx, Uma Biografia em Quadrinhos, de Corinne Maier e Anne Simon, acaba de chegar pelo selo Barricada. A HQ aborda a vida e as principais ideias do filósofo que sonhou com um mundo livre da exploração, da desigualdade e do desemprego. Além de também explicar de forma leve e bem humorada conceitos como capitalismo e luta de classes, a obra passa retraça alguns dos episódios mais marcantes da vida de Marx, como a redação do Manifesto Comunista, por exemplo.

No final de março, chega às bancas pelo selo Boitatá O Deus Dinheiro, em que o artista espanhol Maguma cria um mundo surreal alimentado pelo desejo insaciável do consumismo. O livro, também voltado para o público infantil, é baseado no conto bíblico da Queda e em extratos dos Manuscritos Econômico-filosóficos, escrito por Marx em 1844.