Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2016 / 10 / Instituto Moreira Salles adquire arquivo dos Diários Associados

acervo

Instituto Moreira Salles adquire arquivo dos Diários Associados

Guardado há três anos em um prédio no bairro de São Cristóvão, na região central do Rio, o patrimônio será transferido no próximo mês para a Reserva Fotográfica do IMS
por Paulo Virgílio,da Agência Brasil publicado 26/10/2016 10h14
Guardado há três anos em um prédio no bairro de São Cristóvão, na região central do Rio, o patrimônio será transferido no próximo mês para a Reserva Fotográfica do IMS
IMS/Divulgação
IMS.JPG

São aproximadamente 700 mil fotografias e 300 mil negativos cobrindo um período que vai desde 1920

Rio de Janeiro – Detentor de importantes acervos autorais de fotógrafos e artistas brasileiros, o Instituto Moreira Salles (IMS) acaba de ampliar seu trabalho de preservação nessa área para a fotografia de caráter jornalístico. A instituição acaba de adquirir o arquivo de três antigos jornais cariocas que pertenceram à cadeia Diários Associados, império de comunicação criado por Assis Chateaubriand (1892-1968),  dobrando, de 1 milhão para 2 milhões de imagens, o seu acervo fotográfico.

O grupo, que não mais edita jornais na cidade do Rio de Janeiro, estava à procura de uma instituição que cuidasse bem do acervo e o IMS manifestou seu interesse em acomodar a coleção. O arquivo reúne fotos produzidas para  O Jornal, criado em 1919, comprado por Assis Chateaubriand em 1924 e que circulou até 1974, Diário da Noite, fundado por Chatô em 1929 e editado até 1964, e Jornal do Commercio, lançado em 1827, incorporado aos Diários Associados em 1957 e publicado até abril deste ano.

Guardado há três anos em um prédio no bairro de São Cristóvão, na região central do Rio, o acervo será transferido no próximo mês para a Reserva Fotográfica do IMS, na Gávea, zona sul da cidade. O material - cerca de 300 mil negativos e 700 mil imagens em papel - está bem mantido e organizado como um arquivo de jornal.

Na avaliação do IMS, o conjunto de imagens mais representativo deve ser o que corresponde ao período entre 1930 e 1970, quando o grupo Diários Associados foi muito ativo e manteve a agência de notícias Meridional, para atender aos jornais e às revistas que publicava, a principal delas O Cruzeiro.

Para o coordenador de fotografia do IMS, Sergio Burgi, as imagens que estão nesse tipo de arquivo transcendem, em muito, o que foi publicado nos jornais. "Os arquivos têm um material superior ao que está nas páginas impressas, uma visão mais rica e ampliada. Se os arquivos não são preservados, perdem-se esse material e essa riqueza", disse.

Entre as imagens que se destacam nos acervos, há importantes conjuntos que retratam o universo cultural carioca – música, teatro, carnaval –, além de figuras políticas, como Getúlio Vargas, Carlos Lacerda e outras personalidades que fizeram a história do século 20. "Há um material muito interessante de esportes, por exemplo, com a documentação da viagem da seleção brasileira de 1938", disse Burgi.

Desde 1995, o Instituto Moreira Salles vem atuando na formação e na preservação de seu acervo fotográfico, iniciado com as coleções Gilberto Ferrez e de Pedro Corrêa do Lago, dedicadas ao século 19. O acervo foi enriquecido depois com a coleção do antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, com imagens da década de 1930, e a de Marcel Gautherot, que retrata o Brasil das décadas de 1940 a 1980.