Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2016 / 08 / Elke Maravilha morre aos 71 anos no Rio

em Laranjeiras

Elke Maravilha morre aos 71 anos no Rio

Antes de ser internada, Elke estava apresentando pelo país o espetáculo "Elke canta e conta", sobre sua vida. Leia polêmica entrevista concedida à 'Revista do Brasil' em 2010
por Redação RBA publicado 16/08/2016 08h20, última modificação 16/08/2016 19h00
Antes de ser internada, Elke estava apresentando pelo país o espetáculo "Elke canta e conta", sobre sua vida. Leia polêmica entrevista concedida à 'Revista do Brasil' em 2010
Rodrigo Queiroz/RBA
Elke maravilha

Elke Grunnupp nasceu na Rússia, em 1945. Chegou ao Brasil ainda criança com os pais, para morar em Minas Gerais

São Paulo – A atriz Elke Maravilha, 71 anos, morreu na madrugada de hoje (16), na Casa de Saúde Pinheiro Machado, no Rio de Janeiro, onde estava internada havia um mês em consequência de complicações após cirurgia para tratar uma úlcera estomacal.

O irmão de Elke, Frederico Grunnupp, falou para UOL que Elke não estava mais respondendo aos medicamentos. Ela sofreu falência múltipla dos órgãos. Nas redes sociais, muitos artistas lamentam.

Elke Grunnupp nasceu na Rússia, em 1945. Chegou ao Brasil ainda criança com os pais, para morar em Minas Gerais.

Antes de ser internada, Elke estava apresentando pelo país o espetáculo "Elke canta e conta", sobre passagens de sua vida desde a infância na Rússia, os casamentos, a carreira de modelo e apresentadora.

Elke maravilhaAos 64 anos, em 2010, Elke concedeu entrevista à Revista do Brasil, quando deixou claro que, apesar de seu marcante estilo exuberante e performático, enfrentava tudo de cara limpa. Disse que cultivava um certo desprezo por unanimidades, que daria tudo para tirar as coroas de Roberto Carlos e Pelé e colocá-las em Itamar Assumpção e Garrincha.

Jurada dos programas de auditório de Chacrinha e de Silvio Santos, mantinha devoção pelo primeiro e ojeriza pelo segundo: “Tem gente que é tão pobre, tão pobre, tão pobre que só tem dinheiro”, disse, citando frase do amigo e filósofo popular Pedro de Lara.

Leia a entrevista

Eu sempre quero encrenca, criança

registrado em: