Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2013 / 03 / BaixoCentro arrecada fundos para festival colaborativo em São Paulo

BaixoCentro arrecada fundos para festival colaborativo em São Paulo

Mais de 500 atividades foram apresentadas em chamada pública para segunda edição do evento. Objetivo é arrecadar R$ 62.578 até o dia 30
por gisele publicado 05/03/2013 19h12, última modificação 06/03/2013 12h15
Mais de 500 atividades foram apresentadas em chamada pública para segunda edição do evento. Objetivo é arrecadar R$ 62.578 até o dia 30

Festival é um "grito" contra desmando e acontece entre 5 e 14 de abril (Foto:ferligabue/Flicker)

São Paulo – A campanha de arrecadação de fundos para a realização do 2º Festival BaixoCentro, em São Paulo, começou ontem (5). As doações podem ser feitas por qualquer pessoas por meio do Catarse (site especializado em financiamento coletivo) O valor mínimo para doação é de R$ 10.  O objetivo é que sejam arrecadados R$ 62.578 para financiar 530 atividades propostas – cinco vezes mais do que na edição anterior - todas produzidas por produtores independentes e propostas em chamada pública. As doações podem ser realizadas até o dia 30 de março. O festival irá acontecer entre os dias 5 e 14 de abril.

“A ideia do financiamento coletivo é justamente para manter o caráter independente do festival e não envolver os cidadãos apenas na hora de ver uma atividade como público, mas engajá-los desde o começo para a realização. Se eles não apoiarem, não há festival. Então, o processo de engajamento e construção desta ocupação começa por aí, na passada de chapéu”, explica Thiago Carrapatoso, um dos membros do BaixoCentro, via correio eletrônico enviada no grupo de e-mails do coletivo. É por esse grupo de emails que boa parte das ações são discutidas.

Idealizado por um coletivo homônimo apartidário, o festival surgiu como resistência a processos excludentes na cidade, principalmente na região que concentra suas atividades, ruas próximas à praça Marechal Deodoro, sob  e sobre o viaduto Presidente Costa e Silva, o Minhocão, no centro da cidade. 

“Há dois anos, havia uma disputa pelas ruas da região por causa das catastróficas ações policiais na cracolândia. Havia ainda a ameaça do Nova Luz de demolir mais de 30% da região e expulsar todo mundo que está morando no centro. A especulação imobiliária, a falta de políticas públicas urbanísticas e ações policiais autoritárias fizeram com que emergisse o grito de que as ruas também são nossas. Enquanto uns vêm com drogas, outros com armas, nós, da sociedade civil, disputaremos com dança. 'A arte é uma arma carregada de futuro', como diz o filme Noviembre”, explica Carrapatoso.

A falta de cores partidárias, no entanto, não faz do grupo apolítico. “Se o primeiro festival foi aquela experimentação, em que a gente estava tateando os territórios e vendo os limites que poderíamos chegar, neste, queremos dar um passo seguinte. Depois de ocupar as ruas, e aí? O que fazemos? A ideia é não somente promover a ocupação em si, mas levantar o questionamento sobre a falta de mobiliário urbano, de infraestrutura para realizar atividades coletivas, de que a cidade foi projetada para ser apenas de passagem, e por aí vai. Só frisando que o primeiro festival foi bem político também pelo marco na cidade”, argumenta Carrapatoso. “A nossa ideia é conseguir ressignificar essa região, de um lugar que precisa ser revitalizado para um lugar que foi oprimido e, agora, pode participar da elaboração de políticas públicas para a região”.

O dinheiro arrecadado para financiar as atividades do festival, que vão de aprestações musicais a mapeamentos colaborativos (veja a programação completa no site),  não remunera os envolvidos, apenas custeia a infraestrutura e materiais necessários para a realização das atividades como purpurina, equipamentos de som, geradores, narizes de palhaço e chocalhos. 

“Eu, sinceramente, não consigo ver como a nossa estrutura de trabalho do BaixoCentro agora possa entrar como qualquer tipo de economia. Não estamos criando o festival apenas para ter o festival. A ideia de troca de trabalho por uma outra ideia de remuneração é mais focada na simbologia da ocupação do que qualquer outra coisa. Não estamos estruturando uma equipe que recebe ordens, outra que executa, outra que explora o artista e por aí vai. É um movimento voluntário da sociedade civil. Ninguém recebe aqui (ou, se recebeu, é um valor simbólico que não condiz com a realidade do serviço). Não há fluxo de caixa (qualquer que seja, até criativo). Um dia ainda eu (outras pessoas do movimento acreditam diferente) queria que a gente achasse um meio de conseguir remunerar os artistas pelas apresentações. Mas sendo um movimento da sociedade civil para a sociedade civil, é muito complicada a equação”, afirma Carrapatoso, na entrevista por e-mail.