Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2009 / 07 / Não há cidadania sem livro, diz Milton Hatoum

Não há cidadania sem livro, diz Milton Hatoum

Escritor fala, em Paraty, que política pública tem que ser feita "no miúdo", nos municípios; nesta sexta (3) ele debate com Chico Buarque na Festa Literária
por Lísia Gusmão publicado 03/07/2009 10h51, última modificação 03/07/2009 10h55
Escritor fala, em Paraty, que política pública tem que ser feita "no miúdo", nos municípios; nesta sexta (3) ele debate com Chico Buarque na Festa Literária

Paraty recebe escritores e leitores da 7ª Flip (Foto: Lísia Gusmão/Agência Brasil)

 Paraty (RJ) - O escritor Milton Hatoum vai direto ao ponto ao falar da realidade brasileira. Para ele, não há cidadania sem livro e política pública tem que ser feita “no miúdo”. A declaração foi dada em entrevista à Agência Brasil, em que antecipou algumas das reflexões que devem marcar o debate com Chico Buarque na mesa literária Sequências Brasileiras, nesta sexta-feira (3), na sétima edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Em comum, os dois analisaram a realidade brasileira em seus mais recentes livros. Em Leite Derramado, Chico Buarque repassa a história do Brasil a partir das memórias do narrador, que, próximo de morrer, desfia passagens de apogeu e declínio de sua família em quatro gerações. Já Hatoum ambienta A Cidade Ilhada em Manaus, palco também de Dois Irmãos, que explora a presença árabe na Amazônia.

No café ao lado da Tenda dos Autores, que receberá as maiores estrelas da Flip até domingo, Hatoum cobrou “mudanças estruturais” na política brasileira e o engajamento das prefeituras nas políticas voltadas à educação.

“Eu, que ando muito por esse país, observo que os livros do Ministério da Educação estão chegando às escolas e às bibliotecas. Isso é um alento para quem escreve, para quem dá tanta importância a leitura”, disse. “Mas política pública tem que ser feita no miúdo, nos municípios."

Segundo ele, as políticas públicas não devem "obrigar ninguém a ler". "Mas é um absurdo, para não dizer um crime, você não permitir o acesso à leitura a milhões de crianças pobres no Brasil. A política do livro deve ser uma prioridade de qualquer governo. Não há cidadania sem leitura”, disse.

Hatoum cobrou ainda a valorização dos professores e defendeu a implantação de uma política de salários para a categoria a partir de 2010. “É uma vergonha que professores ganhem menos do que um salário mínimo. Qualquer país desenvolvido, qualquer país civilizado investiu muito na educação, no livro, na formação dos professores, nos salários dos professores. E isso eu acho positivo.”

Se a educação evolui no Brasil, o mesmo não acontece com a política, disse Hatoum. O autor observa avanços pontuais, sobretudo na educação, que prometem uma “mudança futura”, mas reclama da demora em mudanças estruturais.

“O Brasil de hoje ainda é desigual e injusto, mas há avanços pontuais que prometem uma mudança futura. Eu sinto falta de uma mudança mais estrutural, ética. Veja o que acontece no Senado”, disse o escritor, em referência à crise política deflagrada após denúncias de irregularidades administrativas envolvendo a Casa.

Fonte: Agência Brasil