ABC Paulista

Assista: TVT transmite debate entre candidatos em São Bernardo nesta sexta-feira

Orlando Morando (PSDB), que busca a reeleição, e o ex-prefeito Luiz Marinho (PT) participam da discussão, junto a outros três candidatos

TVT/reprodução
Debate entre candidaturas à prefeitura de São Bernardo do Campo nas eleições 2020

São Paulo – A TVT e a Rádio Brasil Atual, em parceria com o portal UOL e o jornal Diário do Grande ABC, transmitiram nesta sexta-feira (6) debate ao vivo entre os candidatos à prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Realizado na Universidade Federal do ABC (UFABC), o evento começa às 20h40.

Confirmaram presença o atual prefeito Orlando Morando (PSDB); o ex-prefeito Luiz Marinho (PT); Dr. Leandro Altrão (PSB); a chapa coletiva do Psol, representada por Maria de Lourdes de Souza; e Rafael Demarchi (PSL).

Claudio Donizete (PSTU), por outro lado, não tem a representatividade na Câmara necessária para cumprir a regra determinada para debates na TV pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O debate ocorrerá sem a presença do público. Serão respeitadas as regras de distanciamento social. Além disso, os debatedores terão suas temperaturas corporais medidas, com uso de máscara obrigatório.

Na próxima terça-feira (10), é a vez dos candidatos à prefeitura de Osasco, encerrando a série de debates promovidos nas cidades da Grande São Paulo.

Morando na frente

Pela pesquisa Ibope divulgada pelo Diário do Grande ABC, nesta quinta-feira (5), Morando lidera, com 48% das intenções de votos. Em segundo lugar está o ex-prefeito Marinho, com 24%. Na sequência, aparecem Demarchi, com 4%, tecnicamente empatado com Altrão, e a chapa coletiva do Psol, ambos com 2%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais.

Por outro lado, na pesquisa espontânea – quando os nomes dos candidatos não são apresentados, Morando aparece com 38%, seguido por Marinho, com 17%. Leandro e Demarchi tiveram 1% cada. Cláudio Donizete não chegou a 1%. E a chapa coletiva do Psol não foi citada.

O levantamento também aponta que Marinho é rejeitado por 42% dos entrevistados. Para Morando, a rejeição chega a 25%, seguido por Demarchi, com 17%. Cláudio Donizete e Leandro Altrão empatam, com 11%. E a Chapa Coletiva do Psol é rejeitada por outros 10%.

Foram entrevistadas 602 pessoas presencialmente, entre os dias 1º e 3 de novembro. O nível de confiança utilizado é de 95%.

Temas

São Bernardo tem uma população de 844 mil habitantes, segundo dados recentes do IBGE. É conhecida como a capital do automóvel, sede das principais montadoras do país. Mas, entre os principais problemas do município, os moradores destacam o sucateamento da educação e o descaso com a segurança.

Reprodução/UOL
Educação e segurança devem aparecer entre os principais temas do debate em São Bernardo

Segundo o professor da rede pública estadual e diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais e Autárquicos de São Bernardo do Campo (Sindserv), Dinailton Cerqueira, uma das principais promessas do atual prefeito era a construção de 40 creches.

Ele comenta que além de não ter construído uma nenhuma creche sequer, as merendeiras foram demitidas no início da pandemia. Da mesma forma, a prefeitura também rompeu contrato com empresas terceirizadas, desempregando trabalhadores do setor da limpeza.

“Ele não cumpriu a promessa. As creches mais novas que temos foram construídas e entregues no governo anterior”, afirmou o professor a repórter Larissa Bohrer, para o Jornal Brasil Atual. Segundo ele, desde de 2017, a prefeitura vem cortando recursos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), o que resultou no fechamento de inúmeras salas de aulas.

O morador José Pereira da Silva, que vive há 30 anos no bairro São Pedro, é estudante do EJA. Ele teme, entretanto, que o programa seja interrompido no final deste ano, deixando dezenas de alunos sem estudo. “Tenho ouvido um zum zum zum (sic) que, no próximo ano, não vai ter mais o EJA aqui no bairro”.

Ademais, outra promessa não cumprida de Morando foi duplicar o número de guardas municipais. Como resultado, o morador comenta que aumentou o número de roubos nas regiões mais pobres e afastadas.

Assista à reportagem