#Elenão

Trabalhadores na cultura fazem ato pela democracia no Rio

“Não se trata tanto de escolher entre um partido e outro, entre um candidato e outro, trata-se de escolher o direito a continuar exercendo a democracia”, afirma manifestante

TVT/Reprodução
Arte contra fascismo

Manifestação contra fascismo reuniu centenas de artistas no Circo Voador, na capital fluminense, nesta terça (16)

São Paulo – No Circo Voador – na Lapa, região central da cidade –, reduto histórico de manifestações culturais do Rio de Janeiro, centenas de pessoas ligadas às áreas da cultura e da arte reuniram-se, nesta terça-feira (16), pela manutenção da democracia, contra o avanço do fascismo, representado pela candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) a presidente e para expressar apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT).

Em seus discursos, os trabalhadores e trabalhadores culturais ao falarem sobre a defesa da democracia e liberdade, afirmaram acreditar que o jogo eleitoral ainda não está decidido e prometem intensificar a militância. “Ele (Bolsonaro) fala que as minorias têm que se submeter às maiorias, mas, na verdade, as minorias, elas são a maioria da população. As minorias são as elites, e as elites não são a classe média. São banqueiros, grandes indústrias. Essas minorias para quem ele quer governar”, crítica a educadora e professora de dança Aline Valentim em entrevista à repórter Ana Carla Ferreira, do Seu Jornal, da TVT.

A professora de Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Ângela Leite Lopes destacou ainda o ato como um reforço da importância da mobilização e da pluralidade, que apesar da diversidade de preferências políticas, reuniam-se pela preocupação com os direitos básicos dos cidadãos. “Não se trata tanto de escolher entre um partido e outro, entre um candidato e outro, trata-se de escolher o direito a continuar exercendo a democracia”, afirma Ângela.

Assista à íntegra da reportagem: