retrocesso

‘Plano de Bolsonaro é predatório para a natureza’, diz ex-presidente da ANA

Para ex-secretário do Ministério do Meio Ambiente, Haddad possui projeto mais avançado e adequado às necessidades do século 21, em relação à sustentabilidade

ARQUIVO/EBC
Haddad Bolsonaro ambiente

Especialista critica a proposta de Bolsonaro em fundir o Ministério do Ambiente com a pasta da Agricultura

São Paulo – Para o economista e ex-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA) José Machado, as propostas dos candidatos à Presidência Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) são “radicalmente diferentes”. De acordo com o especialista, o ex-militar propõe o caos e a “liberdade para fazer o que bem entender” com a natureza, já Haddad apresenta a criação de oportunidades e riquezas, mas através de uma economia mais sustentável.

Machado critica a proposta de Bolsonaro em fundir o Ministério do Ambiente com a pasta da Agricultura. Ele classifica a medida como “a raposa cuidando do galinheiro”. “Isso é um retrocesso inaceitável, porque o Brasil tem adotado um padrão de desenvolvimento predatório, há muito tempo. Se destrói a natureza de maneira irresponsável. O Estado perderá a capacidade de regular o processo econômico, ou seja, preservar a natureza e gerar empregos”, explica.

Ele afirma que o Brasil precisa de tecnologia e inovação para ter outro padrão de desenvolvimento, através de um método mais sustentável e inclusivo socialmente.

“A proposta do Haddad é muito mais avançada e adequada às necessidades do século 21. Ele propõe uma economia com baixo carbono, incentivando que a atividade econômica esteja adequada aos novos tempos”, diz o ex-secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente.