eleições 2018

PDT anuncia apoio a Haddad para ‘derrotar o autoritarismo’

Contra a escalada do autoritarismo representado pelo candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro (PSL), partido de Ciro Gomes anuncia 'apoio crítico' ao candidato petista

reprodução/facebook
ciro e haddad

Apoio do PDT não garante Ciro ativo na campanha de Haddad

São Paulo – O PDT, que teve Ciro Gomes como candidato na disputa presidencial, anunciou “apoio crítico” ao candidato do PT no segundo turno das eleições, Fernando Haddad. A decisão foi divulgada por meio de uma nota após reunião da executiva nacional do partido. “Não é hora de só olhar nossas divergências, é hora de olhar para o Brasil”, disse o presidente da legenda, Carlos Lupi. “Não vamos nos omitir. Vamos votar em Haddad para derrotar o autoritarismo.”

A presença ativa de Ciro, que ficou na terceira posição no primeiro turno, na campanha de Haddad não está garantida. Lupi declarou que o pedetista não subirá em palanque. “Não faremos nenhuma reivindicação. Por isso que a gente fala que é o voto crítico. É voto sem participação em campanha. Não queremos, já está clara a nossa posição, a participação em nenhum governo se Fernando Haddad ganhar a eleição”, acrescentou.

Lupi defendeu uma “frente democrática” contra a extrema-direita, representada por Jair Bolsonaro (PSL). “Na nossa opinião, está em risco a democracia brasileira. O tipo de golpe hoje é mais sofisticado, um tipo de golpe que pode ser legitimado pelo voto popular, o que torna maior ainda o risco para a democracia brasileira”, disse.

“Sabemos o que foi 1964, sabemos o que foi 1968. Somos filhos e netos dos que sofreram pela ditadura. Somos um partido de cassados, oprimidos, exilados e dos mortos. Não esquecemos essa memória. Em nome da memória queremos alertar o povo brasileiro para o risco de eleger essa personalidade que hoje engana o povo brasileiro”, completou.

O voto do PDT é, nas palavras do presidente, “muito mais contra os riscos que Bolsonaro representa aos direitos humanos, a democracia, ao respeito às liberdades individuais. Nessa certeza do que ele representa. Não vamos nos omitir. Vamos votar em Haddad para derrotar o autoritarismo”.