Home Eleições 2018 Movimentos sociais defendem organização para resistir ao governo Bolsonaro
Recomeçar

Movimentos sociais defendem organização para resistir ao governo Bolsonaro

Para Raimundo Bonfim, coordenador da Central dos Movimentos Populares, futuro presidente tentará criminalizar a luta por direitos como à terra e à moradia
Publicado por Redação RBA
14:39
Compartilhar:   
Roberto Parizotti/Secom CUT
Raimundo Bonfim

“Democracia sem sociedade civil organizada, sem movimentos sociais, não é democracia”, afirma Raimundo Bonfim

São Paulo – No dia seguinte à eleição de Jair Bolsonaro (PSL), como presidente da República,  o coordenador da Central dos Movimentos Populares (CMP) e da Frente Brasil Popular, Raimundo Bonfim, disse que já é o momento de os movimentos sociais pensarem em como se preparar para os desafios que serão impostos pelo futuro governo de extrema-direita.

“Temos que continuar fortes e nos organizarmos ainda mais para enfrentar uma situação difícil. O ataque aos direitos e à soberania do país será muito mais aprofundado do que está sendo feito pelo governo Temer, o que já não é pouca coisa”, afirmou Bonfim, em entrevista na manhã desta segunda-feira (29) à jornalista Marilu Cabañas, na Rede Brasil Atual.

Para ele, a vitória de Bolsonaro é ainda consequência da desestabilização em curso no país desde 2015, quando forças políticas conservadoras não aceitaram o resultado das eleições de 2014, iniciando ali o movimento que levou ao impeachment de Dilma Rousseff e à prisão, sem provas e inconstitucional, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Bonfim disse acreditar na criação de uma frente democrática que inclua partidos políticos e movimentos sociais para resistir à conjuntura adversa que virá contra o campo da esquerda. E destacou a ameaça de Bolsonaro de “dar um jeito no ativismo social”. Para o ativista, o futuro presidente demonstra disposição de criminalizar e anular os movimentos sociais do país.

“Ele cita o MTST e o MST porque são referências, mas ele se refere ao conjunto dos movimentos sociais como inimigos da democracia. Nós vemos o contrário: democracia sem sociedade civil organizada, sem movimentos sociais, não é democracia.”

Para o coordenador da Frente Brasil Popular, a esquerda e os movimentos sociais precisam agora “se enfiar na periferia”, ação iniciada já na reta final da campanha de Fernando Haddad (PT).

“Fomos lá para os fundões dialogar com a população. Nós temos que fazer isso independente de eleição, temos que fazer isso pra organizar os trabalhadores e a população em associações, grupos culturais, de mulheres, de juventude. Os coletivos populares são muito importantes e precisam se conectar uns com os outros.”

Ouça a entrevista na íntegra: