Avaliação

Decisão sobre volta às aulas este ano em São Paulo sai até 25 de setembro

Prefeitura vai fazer uma terceira fase de inquérito sorológico com crianças e adolescentes antes de decidir sobre volta às aulas em São Paulo

Arquivo ABR
Professores denunciam que a falta de estrutura nas escolas públicas coloca em xeque medidas de distanciamento social e deixa todos em risco

São Paulo – A definição se haverá ou não volta às aulas na cidade de São Paulo em 2020 será anunciada até 25 de setembro pelo prefeito Bruno Covas (PSDB). Até lá, a prefeitura vai realizar uma terceira fase do inquérito sorológico com estudantes, analisando a situação dos alunos da rede estadual e privada. Os dados da segunda fase do estudo foram divulgados na quinta-feira (26) e mostram que 69,5% das crianças que desenvolveram a covid-19 foram assintomáticas, o que representa grande risco potencial de transmissão do coronavírus, já que não haverá como detectar a manifestação da doença nos estudantes.

“A segunda fase mostra o acerto da decisão da prefeitura em não autorizar a volta às aulas em São Paulo no mês de setembro. Nos próximos dias, entre 10 e 15 de setembro, nós devemos ter a terceira fase do inquérito realizado com crianças, abrangendo não apenas os alunos da rede municipal, mas também da rede estadual e privada na cidade de São Paulo. E, a partir da terceira fase, a prefeitura vai decidir se teremos ou não retorno às aulas neste ano na cidade”, afirmou Covas.

‘Bolhas locais’ explicam redução da covid-19 em São Paulo, mas situação é instável

O número de alunos da rede pública em que foram encontrados anticorpos para a covid-19 subiu de 108.823, na primeira fase, para 123.624, na segunda fase. O dado indica que 18,3% dos estudantes já foram contaminados pelo novo coronavírus, indicando uma prevalência da doença maior entre as crianças do que entre os adultos. A prevalência destes fica na casa de 11%. Essa é mais uma informação que preocupa em uma eventual volta às aulas em São Paulo, pois mostra que as crianças se contaminam mais que os adultos.

Capital paulista está há 11 dias sem o serviço de vigilância sanitária

A segunda fase do estudo testou mais seis mil crianças e adolescentes de 4 a 14 anos que estudam na rede municipal de ensino. Os dados mostram que a população das classes D e E é a mais afetada pela covid-19. E as crianças pretas e pardas são mais contaminadas, com índice de 20%, ante 16% nas crianças brancas.

Volta às aulas em outras cidades

O governo do Amazonas adiou por tempo indeterminado a volta às aulas do ensino fundamental na cidade de Manaus. A decisão foi tomada após testagem de professores do ensino médio, que voltou no dia 10 deste mês, mostrar que em apenas 15 dias 342 professores foram contaminados pelo novo coronavírus. Os dados resultaram de exames aplicados em 1.064 profissionais da educação da cidade, o que equivale a 32,2% de contaminação. Ao todo, a rede pública estadual tem 30 mil educadores.

Depois de uma semana de queda, taxa de transmissão da covid-19 no Brasil volta a subir

Nos Estados Unidos e na Coréia do Sul, o resultado da volta às aulas foi igualmente preocupante. Os casos de covid-19 entre crianças aumentaram em 90% nos Estados Unidos após o retorno das aulas presenciais, de acordo com a Academia Americana de Pediatria e Associação de Hospitais Infantis dos EUA. Em Seul,  capital da Coreia do Sul, as aulas voltaram a ser ministradas integralmente online após o retorno das aulas presenciais e consequente aumento de novos casos de covid-19 na região.


Leia também


Últimas notícias