#AdiaEnem

Weintraub ataca jornalista e ignora estudantes ao defender realização do Enem

Presidente da Une, Iago Montalvão, disse: “Weintraub é bem ao estilo de covardia de Bolsonaro. Agride a jornalista e ataca as entidades estudantis”

reprodução
Em meio à protestos pelo adiamento do ENEM, Weintraub ataca jornalistas ao ser questionado sobre Teich

São Paulo – Com a mobilização virtual marcada por estudantes para esta sexta-feira (15) pelo adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a hashtag #AdiaEnem assumiu a liderança dos assuntos mais comentados no Twitter neste final de tarde. 

Depois da demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich, ter dominado as redes sociais ao longo do dia, a mobilização dos estudantes, marcada para 18h, ganhou combustível também com a discussão entre o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e a jornalista da CNN Monalisa Perrone. Em entrevista nesta tarde, Monalisa indagou o ministro sobre a saída de Teich, e o ministro protestou, por conta da pergunta não ter sido combinada. 

A entrevista teve repercussão negativa nas redes. O presidente da Une, Iago Montalvão, disse: “Weintraub é bem ao estilo de covardia de Bolsonaro, né. Agride a jornalista da @CNNBrasil e ataca as entidades estudantis que estão pedindo adiamento do ENEM. Eu desafio ele à um debate! Nunca nos negamos a enfrentar esse tema de frente. Quero ver é se ele topa!”

A conta da UNE no Twitter também repercutiu a entrevista do ministro. “@AbrahamWeint assumiu agora na @CNNBrasil que quem não tem internet nenhuma não consegue nem fazer inscrição para o Enem. O problema é exatamente esse! São estes estudantes que ele está querendo deixar de fora da universidade pública”.

Repercussão

Lideranças e parlamentares reagiram ao posicionamento de Weintraub neste dia de mobilização pelo adiamento do Enem. Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), “manter o calendário normal é uma crueldade sem precedentes! É ignorar que estamos vivendo a pior crise dos últimos 100 anos, e os alunos mais vulneráveis sentem bem mais”.

Já a deputada federal Fernanda Melchionna (Psol-RS) criticou a postura do ministro diante da entrevista para a CNN Brasil. “É assim que Weintraub trata jornalistas, e não me admira, que seja principalmente com mulheres. Diferente do que quer este governo autoritário, a imprensa é livre e jornalistas perguntam o que querem”, disse, sobre o ministro, que criticou o fato de as perguntas não terem sido combinadas.

Sâmia Bomfim (Psol-SP), reforçou a crítica sobre a realização do Enem sem alteração no calendário. “Enquanto Weintraub e Bolsonaro seguem tentando realizar o Enem a todo custo, milhares de estudantes participam de uma grande campanha solidária pelo adiamento da prova – por condições mais justas para aqueles que não têm acesso ao ensino a distância. #AdiaEnem.”