Em meio à pandemia

Covas demite educadores do CEU de Heliópolis. Moradores protestam contra decisão

Os sete profissionais exonerados atuavam em ações de combate à Covid-19 na comunidade da zona sul de São Paulo. Há anos, região é referência como “bairro educador” por trabalho das escolas

TVT/Reprodução
"São acordos políticos que precisam de vaga e se faz esse desmonte, que para nós é um grande desmonte", critica presidenta da Unas

São Paulo – Os moradores da comunidade de Heliópolis, bairro da zona sul da cidade de São Paulo, protestaram, nesta quarta-feira (13), contra o desmonte da gestão comunitária do Centro Educacional Unificado (CEU) Professora Arlete Persoli, o CEU Heliópolis. A União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região (Unas), professores e dirigentes das escolas na região contestam a decisão do prefeito Bruno Covas (PSDB) que, em meio à pandemia do novo coronavírus, demitiu sete educadores do CEU. A equipe, que atuava na gestão da escola, havia sido eleita democraticamente pela comunidade. 

Para os moradores, a decisão faz parte de um “jogo político e de interesses” do prefeito. “O que a gente imagina, que é o que tem acontecido na cidade toda, são acordos políticos que precisam de vaga e se faz esse desmonte, que para nós é um grande desmonte. É a única justificativa”, explica a presidenta da Unas, Cleide Alves, em entrevista ao repórter André Gianocari do Seu Jornal, da TVT. De acordo com Cleide, os profissionais exonerados atuavam no combate à Covid-19 na comunidade. 

O trabalho das escolas na região fez com que Heliópolis ganhasse tradição na área educacional. Hoje, a comunidade é conhecida como “bairro educador” pelas iniciativas pedagógicas diferenciadas no ensino público. Uma delas foi derrubar os muros da Escola Municipal Campos Salles, que aproximou os moradores do equipamento público.

Integrante do grupo articulador do Movimento de Inovação na Educação, Helena Singer se disse surpresa e preocupada com a decisão de Covas. “A gestão do CEU Heliópolis é um modelo para o Brasil todo. Pesquisadores, educadores e jornalistas do Brasil todo vão lá para aprender como é que se faz exatamente uma gestão que é efetivamente pública”, afirma. 

Assista à reportagem da TVT