Governo dos amigos

Weintraub aceita pedido via Twitter e manda refazer análise de prova de filha de apoiador

MEC não responde por que só a filha de um declarado bolsonarista teve resposta individual ao caso

Reprodução
De maneira informal, Abraham Weintraub ordenou pessoalmente nova correção de prova de filha de apoiador do governo. Prática contraria princípio da impessoalidade que deve orientar governantes

São Paulo – O ministro da Educação, Abraham Weintraub, determinou pessoalmente uma nova análise da prova do Enem de uma candidata após o pai dela – que nas redes sociais demonstra claro apoio ao governo Bolsonaro e rancor antipetista – reclamar, via Twitter, de que a jovem poderia ter sido prejudicada pelos erros cometidos na correção das provas. Há ao menos 24 ações na Justiça, além da ação civil pública do Ministério Público Federal de MG, que pedem nova correção da prova do Enem após os resultados terem sido divulgado com erros.

Neste sábado (25), Carlos Santanna fez uma pergunta marcando o perfil oficial de Weintraub: “Ministro, minha filha tem certeza que a prova do Enem dela não teve a correção adequada e que ela foi prejudicada. E agora? A Inês é morta? (sic ) O Sisu termina amanhã”, escreveu o bolsonarista, às 18h39.

O tuíte foi respondido minutos depois, às 19h45, pelo próprio Weintraub: “Caro Carlos, vou passar seu caso diretamente para o presidente do INEP. Qual foi o problema que ela acha que ocorreu? Abraço”.

Às 18h50, o ministro ainda fez questão de atualizar a situação ao apoiador, comunicando-lhe que já havia solicitado a checagem da prova indicada, afirmando-lhe “Já está sendo analisada. Abraço” e mostrando-lhe que havia encaminhado a demanda a um outro perfil, a quem chama de ” Alê”,: “Caro Alê, tem como verificar?”, escreveu, recebendo como resposta “Vou checar”. O nome do presidente do Inep, responsável pelo Enem, é Alexandre Lopes.

A conclusão da checagem foi enviada a Weintraub às 19h20. “Ministro, a participante teve a prova corrigida corretamente. Tudo confere. Fez a prova em Ribeirão Preto/SP. Conferido com a aplicadora. Não houve erro de associação no caso dela”.

Weintraub, então, respondeu pouco depois ao apoiador postando cópia da conversa, com a frase “Caro Carlos, veja a resposta abaixo. Abraço.”

Ao jornal Folha de S.Paulo, a assessoria do Inep afirmou, neste domingo (26), que as provas de todos que estão reclamando de maneira informal, por meio das redes sociais, estão sendo revisadas, mas que não dará respostas individuais a elas. Sobre as demandas na Justiça, afirmou que a AGU (Advocacia-Geral da União) é a responsável legal por cuidar desses casos.

Também àquele jornal, o MEC não respondeu por que só a filha de um apoiador do governo teve resposta individual ao seu caso.

Os problemas no Enem deste levaram a Justiça Federal de São Paulo a suspender a etapa de seleção do Sisu, cujo período original de inscrição termina neste domingo. A decisão atendeu a ação da Defensoria Pública da União.

O ministério nega novas falhas além das já divulgadas. Abraham Weintraub disse ontem que as reclamações sobre o assunto partem de pessoas vinculadas a partidos radicais de esquerda.