Após erro no Enem

Sisu abre inscrições nesta terça-feira com prazo final prorrogado. Candidatos relatam problemas

Instabilidade e falhas no site foram as reclamações mais comuns dos estudantes, que exigem explicações do MEC

Reprodução
Candidatos enfrentam problemas para fazer inscrição no sistema do Sisu, embora o ministro Weintraub garanta que, mais uma vez, não há erro

Brasil de Fato – O prazo de inscrições para estudantes se candidatarem a vaga em uma universidade pública pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foi iniciado às 0h desta terça-feira (21) e segue até o dia 28 de janeiro, dois dias a mais do que o prazo estipulado inicialmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).  Candidatos que acessaram o sistema nas horas iniciais de funcionamento relataram, em suas redes sociais, instabilidade e falhas no site. Para alguns, a página saiu do ar durante o processo. Para outros, as inscrições foram encerradas sem autorização do aluno. Uma estudante reclamou que não havia, no momento em que tentou fazer sua inscrição, nenhuma explicação “para o ‘inscrições encerradas’ e outros bugs.

Apesar das queixa que já dominavam o assunto nas redes sociais, às 8h21 da manhã o ministro da Educação, Abraham Weintraub, “saudou” os candidatos e garantiu que o sistema estava “rodando normalmente”.


Ao se inscrever no sistema, o candidato deve escolher no máximo duas opções de cursos oferecidos pelas instituições participantes. No final, o sistema selecionará os estudantes mais bem classificados em cada curso. Nessa classificação, serão levadas em consideração as notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e fatores como pesos atribuídos às notas ou bônus.  Caso o candidato consiga uma classificação suficiente para ingressar nas duas opções de cursos, será levada em consideração apenas a primeira opção para a realização de matrícula.

Segundo o Inep, após a divulgação do resultado no Sisu, a matrícula nas instituições participantes deverá ser realizada até 4 de fevereiro.

Criado pelo governo Lula em 2009, o Sisu é hoje uma das principais formas de acesso à universidade. A cada edição, as instituições públicas de ensino superior que aderem à plataforma digital reservam um número de vagas para os participantes do Enem. Em 2020, estão sendo ofertadas 237 mil vagas em 128 instituições de ensino superior públicas. Para concorrer, é necessário ter realizado o Enem de 2019 e obtido uma nota acima de zero na prova de redação. Ao realizar a inscrição no sistema, o candidato deve ter em mãos o número de inscrição do Enem e a senha atual cadastrada na Página do Participante.

Notas erradas

A prorrogação do prazo final para as inscrições no Sisu foi estabelecida em decorrência de postagens de notas erradas do Enem feitas pelo Ministério da Educação. Alexandre Lopes, presidente do Inep e responsável pela aplicação do exame, afirmou em uma coletiva de imprensa  que as notas do Enem já foram corrigidas. “Nós pegamos todos os quase 4 milhões de participantes e corrigimos as provas deles com todos os gabaritos possíveis e calculamos todas as proficiências possíveis.”

Durante a coletiva transmitida ao vivo pela internet, com mais de 900 comentários feitos em tempo real, os estudantes afirmaram que as explicações eram insuficientes e pediram garantias de que todas as notas foram reavaliadas. Muitos informaram que o e-mail disponibilizado pelo governo para atender às reclamações não funcionou e alguns chegaram a pedir o cancelamento do exame.

Segundo as explicações do governo, houve erro na gráfica que imprimiu o exame durante o processo de associação entre as provas e os gabaritos. O problema foi identificado somente após reclamações de estudantes nas redes sociais. Em nenhum momento a empresa responsável pela impressão das provas notificou as autoridades sobre qualquer tipo de engano.

Um processo administrativo vai avaliar as responsabilidades para definir eventuais sanções à empresa. O presidente do Inep avisou que será feita uma revisão dos mecanismos de controle de qualidade.