Balbúrdia no MEC

Justiça suspende resultado do Sisu e obriga MEC a provar que sanou erros das notas do Enem

Pasta já avisou que vai recorrer e mantém site em funcionamento, aceitando inscrições dos estudantes. Resultados seriam divulgados na terça-feira

Pedro Ladeira/Folhapress
Ministro da Educação de Bolsonaro, Abraham Weintraub não pretende fazer as mudanças determinadas pela Justiça

São Paulo – Em atendimento à Defensoria Pública da União, a 8ª Vara Cível Federal de São Paulo determinou na noite desta sexta-feira (24), em caráter liminar, a suspensão da divulgação dos resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e a comprovação, pelo Ministério da Educação (MEC), de que os erros na correção das provas do Enem 2019 foram totalmente sanados.

Ou seja, que a revisão das notas das provas, nas quais foram identificadas falhas, permitirá a readequação das notas de todos os candidatos. A pasta deverá indicar, também, quais os parâmetros adotados antes e depois da revisão. E garantir  que todos os solicitantes de revisão tiveram seu pedido atendido, ainda que a nota não tenha sido alterada.

A pasta já avisou que vai recorrer da decisão. Pelo calendário do Sisu, cujo site continua em funcionamento, aceitando inscrições dos estudantes, os resultados serão divulgados na terça-feira.

Ontem (24), o Ministério Público Federal O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria Regional dos Diretos do Cidadão (PRDC) em Minas Gerais, pediu à Justiça Federal que determine a suspensão das inscrições e a alteração dos calendários 2020 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa Universidade para Todos (Prouni). A suspensão pedida deverá valer até que seja feita uma auditoria no resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019.