Home Educação Governo Bolsonaro tenta destruir sistema de financiamento da pesquisa científica no país
DE GOLPE EM GOLPE

Governo Bolsonaro tenta destruir sistema de financiamento da pesquisa científica no país

Enquanto o orçamento das agências de fomento desaba, governo fala em mudanças que podem desmantelar o protagonismo do país na produção de conhecimento
Publicado por Helder Lima, da RBA
20:42
Compartilhar:   
pixabay

Para pesquisadora, mudanças têm como aspecto “mais dramático e danoso a posição subalterna de limitarmos a produção científica do país às pesquisas aplicadas, que proporcionam lucros imediatos”

São Paulo – Entre o golpe de 2016 e o governo Bolsonaro há uma continuidade que ameaça o papel do Brasil como um dos protagonistas da produção científica no mundo. De 2015 para 2019, o orçamento das agências de fomento à pesquisa e produção tecnológica ligadas ao governo federal caiu de R$ 13,97 bilhões para R$ 6,08 bilhões, um recuo de 56,5%, e que não cessa.

Para 2020, segundo dados do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) e projeções do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o orçamento das agências recua a R$ 4,4 bilhões. Esses números incluem o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação (MEC), e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que atua como órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Não bastasse esse efeito do fiscalismo neoliberal sobre o orçamento, agora o governo Bolsonaro fala em fusões e mudanças no âmbito dessas agências, que na prática podem extinguir importantes instrumentos de desenvolvimento tecnológico e científico, que foram capazes de levar o país, em 2016, à décima segunda posição mundial em produção de artigos científicos, segundo a agência norte-americana National Science Foundation (NSF), que relacionou um ranking com 50 principais países.

De um lado, o governo fala em fundir a Capes e o CNPq, o que daria à pasta da Educação plenos poderes sobre o financiamento da pesquisa, em um governo que ideologicamente se manifesta somente em favor da pesquisa que tem interesse de “mercado”. E de outro diz que pensa em transferir o FNDCT do Ministério da Economia para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Essa segunda mudança, alerta a comunidade científica, poderia acabar com a Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), vinculada ao MCTIC, e que tem muitos de seus financiamentos ligados à inovação.

Segundo a pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) Ana Beatriz Nader, essas mudanças têm como aspecto “mais dramático e danoso a posição subalterna de limitarmos a produção científica do país às pesquisas aplicadas, que proporcionam lucros imediatos, reiterando a filiação ao capitalismo selvagem predatório neoliberal e globalizado”.

Ana Beatriz também afirma que a recomendação do Ministério da Economia de que a Finep deve ir para o BNDES, desqualifica a missão do órgão, na medida em que BNDES é um banco obediente às regras da ‘Basileia’ – acordo em que regula a atuação de instituições financeiras no mundo, ratificado por mais por mais de 100 países em 1988, durante a Convenção de Basileia, na Suíça.

“Qualquer extinção/fusão/incorporação dessas agências será prejudicial e lesiva ao funcionamento do Sistema Nacional de CT&I”, alertaram no dia 2 de outubro 47 entidades acadêmicas, científicas e tecnológicas do país, signatárias de uma carta entregue a parlamentares. O presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro Moreira, afirma que agências devem continuar independentes e complementares, como têm sido ao longo das últimas seis décadas.

Toda essa crise provocada pelo governo Bolsonaro se traduz no que disse a professora de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP) Marilena Chaui à RBA na terça (15): “Mas o que está sendo feito pelo Weintraub?”, perguntou indignada a professora, referindo-se ao ministro da Educação, Abraham Weintraub. “Ele está devastando a educação brasileira, devastando a pesquisa e, portanto, ele está nos tirando da sociedade do conhecimento. Ele nos fará, portanto, apenas servidores daquilo que os criadores de conhecimento farão na metrópole. E nós somos a periferia da periferia.”