Home Educação Há um movimento orquestrado para privatizar universidades, diz professor da Unesp
fim do pensamento

Há um movimento orquestrado para privatizar universidades, diz professor da Unesp

Presidente da Adunesp avalia que Future-se e ações realizadas nas instituições estaduais visam o mesmo fim: privatizar universidades
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
13:25
Compartilhar:   
RBA

Para o presidente da Adunesp, ideia dos governos atuais é alinhar as universidades com os interesses do mercado

São Paulo – O presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual Paulista (Adunesp), João Chaves, observa que existe uma movimento coordenado no país para privatizar universidades públicas, estaduais e federais. Em entrevista à Rádio Brasil Atual, Chaves alerta que a ação pode destruir o desenvolvimento acadêmico e tecnológico no país.

“Tanto o Future-se quanto as iniciativas que estão sendo tomadas no estado de São Paulo, de asfixia financeira das universidades, e as medidas que estão sendo tomadas por alguns reitores, caminham na mesma direção. Ocorre que, em nenhum lugar do mundo, as universidades importantes são financiadas pela iniciativa privada”, afirmou.

Para Chaves, a ideia de financiar universidades por investimentos da iniciativa privada – na prática, privatizar universidades – pode ser um desastre para o desenvolvimento científico e do pensamento crítico, já que a pesquisa acadêmica é muito mais ampla que os interesses dos investidores.

“Existem interesses, linhas de pesquisa, que não tem objetivo imediato de lucro, o que é fundamental para a iniciativa privada. Universidade e mercado não podem caminhar na mesma direção, ter a mesma lógica de funcionamento”, diz o presidente da Adunesp.

Apesar de todos os problemas de subfinanciamento e das atuais ações de perseguição contra professores e estudantes, o Brasil é um dos maiores produtores de artigos científicos do mundo, na avaliação do professor. “O Brasil é o 13º país na produção de artigos acadêmicos. Está à frente, por exemplo, da França, da Suécia, da Holanda, da Turquia. Isso não é pouca coisa. Entre as 100 universidades brasileiras que mais produzem, as três paulistas são as primeiras. E elas produzem hoje, cerca de 30% de toda produção acadêmica nacional”, afirmou, argumentando contra a ideia de privatizar universidades.

No caso das perseguições, João Chaves destaca a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada na Assembleia Legislativa de São Paulo, que oficialmente deve analisar os gastos das instituições, mas tem servido de palanque a perseguições ideológicas.

“Preocupa muito a CPI porque ela tem se pautado por um conjunto de ataques às universidades. A maior parte dos deputados que a compõem tem pouco entendimento do que são essas universidades. Há também um tratamento, para dizer o mínimo, deselegante com os reitores, os pró-reitores, enfim, as pessoas que têm ido prestar depoimento à CPI. Isso é lamentável”, afirmou.

Confira a entrevista completa