Home Educação ‘Reforma’ da Previdência prejudica professores como outras categorias, alerta Fepesp
futuro em jogo

‘Reforma’ da Previdência prejudica professores como outras categorias, alerta Fepesp

Situação dos docentes, segundo Celso Napolitano, é quase igual à de todos trabalhadores do país: menos direitos e indefinição do que será aprovado em plenário
Publicado por Felipe Mascari
13:21
Compartilhar:   
UFJF

'Reforma proposta pelo governo é duro golpe aos trabalhadores', critica Celso Napolitano

São Paulo – Os professores não foram poupados e também serão prejudicados pela “reforma” da Previdência, assim como as demais categorias. O alerta é do presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp), Celso Napolitano, ao analisar o relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6, que será votado no plenário da Câmara dos Deputados.

A situação dos professores, segundo Celso, é quase igual à de todos trabalhadores do país: uma indefinição do que será aprovado em plenário. Hoje, não há idade mínima para professores da rede privada se aposentarem, mas apenas a exigência de 25 anos, se mulher, e 30 anos, se homem, de tempo de contribuição. Já na rede pública de ensino, a regra é diferente: há uma idade mínima: 50 anos (mulher) e 55 anos (homem).

“Embora as professoras tenham tido uma diminuição em relação à idade mínima (em comparação às demais categorias), todos terão que trabalhar mais para poder conseguir uma aposentadoria. Essa reforma proposta pelo governo é um duro golpe aos trabalhadores, que pagarão esse ajuste fiscal”, critica, em entrevista à Rádio Brasil Atual.

Além da diferença da idade mínima, outra questão é que a aposentadoria dos trabalhadores da rede privada não será desconstitucionalizada, o que acontecerá com o restante dos trabalhadores do país. “Se você constitucionaliza as regras da aposentadoria, a modificação será mais fácil de ser feita, porque será por lei simples, ou seja, sem o debate que está sendo feito agora”, lamentou.

Apesar do cenário negativo, ele ainda acredita que há possibilidade de reverter o jogo. “O Maia está costurando e acha que aprovará ainda no primeiro turno. Dia 12 terá o ato e vamos fazer de tudo para votar depois do recesso, para que os deputados, ao voltarem à base, tomem o choque de realidade da população”, finalizou.

Ouça a íntegra da entrevista