Home Educação PRF intimida professores que organizavam protesto contra Bolsonaro em Manaus
Abuso de autoridade

PRF intimida professores que organizavam protesto contra Bolsonaro em Manaus

Reunião dos docentes para discutir ato contra o presidente foi interrompida por policiais rodoviários federais
Publicado por Felipe Mascari
10:21
Compartilhar:   
REPRODUÇÃO

A mando do Exército, policiais entraram numa das salas do sindicato e passaram meia hora fazendo perguntas sobre o ato e seus organizadores

São Paulo – Policiais rodoviários federais invadiram, na tarde de ontem (23) uma reunião de professores que organizavam manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL), em Manaus, nesta quinta-feira (25). De acordo com relatos, os agentes da PRF, armados, quiseram acompanhar o encontro e saber quem liderava os atos, mas sem explicar a motivação ou o embasamento legal da operação.

Ao portal UOL, o professor Yann Ivannovick, presidente da Frente Brasil Popular no Amazonas, conta que a reunião havia sido marcada para as 17h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Educação no Amazonas (Sinteam). Entretanto, às 16h30, os policiais chegaram ao local e afirmaram que acompanhariam a reunião.

“Eu havia acabado de sair da sala para beber água e me deparei com os policiais e a ponta de uma metralhadora. Cheguei a pensar que eles eram do sindicato dos policiais e de repente estavam ali para aderir ao movimento. Fomos falar com eles e eles falaram que estavam cumprindo ordem do Exército Brasileiro”, relatou Yann ao UOL.

O professor explicou aos policiais que o ato pacífico teria como pauta manifestações contrárias ao desmonte da educação e pela defesa da Amazônia. “Disse aos policiais que o que eles estavam fazendo na sede do sindicato era um ato atípico. E eles responderam que, para eles, o que nós estávamos fazendo é que era atípico”, acrescentou.

Os policiais entraram numa das salas do sindicato e passaram meia hora fazendo perguntas aos presentes sobre o ato e seus organizadores. O professor Gilberto Ferreira, diretor do Sinteam, diz que os soldados afirmaram que foram ao local a mando do Exército. Ele classificou o episódio como “um retorno dos momentos em que uma manifestação pacífica tem que estar acuada pelas Forças Armadas”.