Home Educação Deputado do PSL agride estudante em debate sobre lei de cotas na Uerj
Violento

Deputado do PSL agride estudante em debate sobre lei de cotas na Uerj

Segurança de Alexandre Knoploch ameaçou sacar uma arma contra alunos e professores. Audiência repudiou projeto do partido de Bolsonaro, que quer acabar com política de ações afirmativas nas universidades do Rio
Publicado por Felipe Mascari
11:07
Compartilhar:   
TVT

Na saída, dois homens foram agredidos fisicamente. Um deles foi atingido por um soco dado pelo deputado Alexandre Knoploch (PSL)

São Paulo – O deputado estadual do Rio Alexandre Knoploch (PSL) agrediu um estudante, com um soco, durante uma audiência pública de parlamentares, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), nesta terça-feira (11). O encontro debatia um projeto do partido de Jair Bolsonaro que quer acabar com as cotas raciais nas universidades públicas, mas terminou em confusão e com seguranças armados.

A audiência já começou tensa com os deputados do PSL  querendo obrigar os presentes a cantar o hino nacional. A bancada de oposição, que presidia a mesa, lembrou que cantar o hino deve ocorrer apenas em sessões solenes e em eventos em que um debate numa universidade não se enquadra. Junto a outros parlamentares das Comissões da assembleia, estava o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL), autor do projeto do fim das cotas raciais, e que ficou conhecido por quebrar uma placa em homenagem Marielle Franco.

A vice-reitora da UERJ defendeu a lei de cotas, que vigora há 10 anos e mantém na graduação quase oito mil alunos negros, de baixa renda e indígenas. Pablo Pontes, estudante de um curso pré-vestibular popular, diz que o fim das cotas vai atingir milhares de jovens na mesma condição que ele. “Na minha família ninguém entrou na universidade ainda. Serei o primeiro a entrar e vou entrar com cota, sim, na UERJ. Defender a cota é essencial”, contou.

A proposta da bancada do PSL não mexe com os filhos de policiais militares e civis, mas atinge diretamente o acesso dos negros à universidade, numa clara posição racista. “Configurado o racismo, sim. Por que não deixou as políticas de ações afirmativas? Hoje, as universidades têm a cara do Brasil”, disse a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), em entrevista à repórter Carmen Célia, da TVT.

Por várias vezes a audiência foi interrompida. Os deputados bolsonaristas acabaram deixando o local sob vaias e cercados por seguranças. O registro exclusivo do repórter cinematográfico Celso Ramalho mostra que, na saída, Alexandre Quinolock, um dos mais votados do PSL, agredindo um estudante. Houve um princípio de tumulto na porta do auditório e um dos seguranças do parlamentar ameaçou sacar uma arma que carregava na cintura. Quando percebeu que estava sendo filmado escondeu a arma e foi embora.

Ao Brasil de Fato, a deputada estadual Mônica Francisco disse que sua equipe e integrantes do Psol recolheriam imagens feitas no local e que serão tomadas medidas cabíveis no âmbito da Alerj e também na justiça criminal.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT