#30MpelaEducação

Cortes na educação: mobilizações começam em Teresina, Salvador e cidades do interior

Estudantes e professores que saíram às ruas durante a manhã também lembraram que as aposentadorias estão ameaçadas pela "reforma" da Previdência

Reprodução/BDF
Professores vão se mobilizar contra a reforma da previdência e os cortes de recursos na educação

São Paulo – A primeira capital do país a protestar contra os cortes na educação do governo Bolsonaro foi Teresina, no Piauí, na manhã desta quinta-feira (30). Também foram registradas ações de estudantes e professores no interior dos estados de São Paulo, Ceará, Bahia e Pernambuco, e em diversas outras regiões. Além do corte de verbas que afeta o funcionamento de escolas, institutos federais e universidades, eles também se manifestam contra a proposta de “reforma” da Previdência, que pretende restringir o acesso às aposentadorias. Em muitas cidades, professores e estudantes começam a se concentrar para atos que vão ocorrer na parte da tarde.

“Eu não abro mão da Previdência e da Educação”, gritavam os estudantes piauienses da cidade de Timon que chegavam a Teresina para participar da mobilização. Eles se concentraram em frente à sede do INSS e saíram em passeata pelas ruas da capital.  No interior do Ceará, houve protestos nas cidades de Quixadá e Limoeiro do Norte. “Que contradição! Tem dinheiro para milícia e não tem para a educação”, era um dos lemas dos estudantes cearenses.

Em São Carlos, importante polo universitário no interior de São Paulo, milhares de estudantes tomaram as ruas.  Em Pernambuco, na cidade de Caruaru, os estudantes que caminhavam pelo centro da cidade também se manifestavam contra as ameaças à Educação e às aposentadorias. “Tira a mão da previdência, tira a mão da educação”, diziam. Araripina foi outra cidade pernambucana que participou das ações do #30MpelaEducação.

Na Bahia, estudantes realizaram na capital, Salvador, e nas cidades de Ilhéus, Planalto e Feira de Santana. Em São Luis, os alunos apresentam seus projetos e pesquisas realizados nas instituições de ensino numa praça na região central da cidade. Em Brasília, estudantes e professores se concentraram em frente ao Museu Nacional e seguem em caminhada rumo à Esplanada dos Ministérios. Em Goiás, os estudantes começam a se concentrar para os atos nas cidades de Rio Verde, Catalão e Posse. Na capital, a mobilização deve ocorrer a partir das 15h, na Praça Universitária.

Esta é a segunda vez que a população vai às ruas contra os cortes na educação. No último dia 15, mais de 1 milhão de pessoas participaram das mobilização que alcançaram cerca de 170 cidades. Foi o maior protesto até agora enfrentado pelo governo Bolsonaro. Nesta quinta (30), a maioria das ações dos estudantes nas capitais e demais cidades deve ocorrer no período da tarde. Os protestos também servem de preparação para a greve geral do próximo dia 14 de junho contra a “reforma” da Previdência.

Reprodução/BDF

Pesquisadora participa da manifestação em Brasília

Tarcísio Aquino

Estudantes protestam no interior do Ceará

Tarcísio Aquino

Cara-pintada em defesa da educação

Ricardo Stuckert

Manifestação em Brasília

BDF

Estudantes em Araripina (PE)

BDF

Estudantes em Ilhéus (BA)