Home Educação Atos em defesa da educação crescem ao longo do dia em todo o país
#30MpelaEducação

Atos em defesa da educação crescem ao longo do dia em todo o país

Estudantes, professores e sociedade civil saem às ruas. Brasília e Salvador reuniram multidões
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
11:31
Compartilhar:   
Reprodução

Ato em defesa da educação reuniu milhares na Esplanada dos Ministérios na manhã de hoje

São Paulo —Iniciados na manhã desta quinta-feira (30), os atos contra os cortes na educação promovidos pelo governo r Bolsonaro têm crescido ao longo do dia e já se espalham por pelos menos 20 estados. Até o momento, a manifestação em Brasília tem sido uma das maiores entre as capitais do país, com milhares de estudantes, professores e técnicos de educação percorrendo a Esplanada dos Ministérios (confira vídeo abaixo). 

Em São Paulo, o protesto se concentrou no Largo da Batata, na zona oeste da capital, que está lotado. Os manifestantes devem caminhar em direção à Avenida Paulista. No Rio de Janeiro, uma multidão se reúne da Candelária desde as 15h.

Paulo Pinto

Acima e abaixo, manifestantes no Largo da Batata, em SP, se preparam para caminhar em direção à Avenida Paulista

 

 

 

 

Paulo Pinto

Pedro Rocha

Milhares de estudantes e populares ocuparam a Candelária no meio da tarde

Mais cedo, a primeira capital do país a sair às ruas em defesa da educação foi Teresina, no Piauí. Atos contra os cortes na educação também foram registrados no interior de São Paulo, Ceará, Bahia e Pernambuco, e em diversas outras regiões. No interior do Ceará, houve protestos nas cidades de Quixadá e Limoeiro do Norte, o mesmo ocorrendo em Caruaru e Araripina, interior de Pernambuco. Ainda pela manhã, houve atos na Bahia, na capital, Salvador, e nas cidades de Ilhéus, Planalto e Feira de Santana. Em Goiás, os estudantes fizeram manifestações nas cidades de Rio Verde, Catalão e Posse. Em São Carlos, importante polo universitário no interior de São Paulo, milhares de estudantes tomaram as ruas.

Além do corte de verbas que afeta o funcionamento de escolas, institutos federais e universidades, os manifestantes também protestam contra a proposta de “reforma” da Previdência, que pretende restringir o acesso às aposentadorias.

As manifestações continuam

A maioria dos atos em defesa da educação, porém, ocorre durante a tarde desta quinta. Em Goiânia, a mobilização iniciou às 15h, na Praça Universitária. Grandes manifestações ocorrem agora nas capitais do Nordeste, como Aracaju, Fortaleza, Campina Grande, Natal e Maceió, impulsionando para os trens topics dos Twitter as hashtags #30MpelaEducacao, #BrasilPelaEducacao e #TsunamiDaEducacao.

Em Boa Vista, no norte do país, grupos indígenas também saíram às ruas para defenderem seus direitos à educação. Em Pelotas (RS), a garoa fina que cai na cidade fez com que os manifestantes aproveitassem para sair com guarda-chuvas, em referência ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, que publicou vídeo em que aparece imitando o clássico do cinema Dançando na chuva. “Quem não pode com a formiga, não atiça o formigueiro”, cantavam os estudantes pelotenses.

No interior de São Paulo, atos estão ocorrendo em diversas cidades do interior, como Jundiaí, Boituva e Sorocaba. “Ô Bolsonaro, você se deu mal, você mexeu com o Instituto Federal”, dizem os estudantes de Sorocaba, enquanto percorrem as ruas da cidade. Na capital paulista, milhares de pessoas já se concentram no Largo da Batata, zona oeste da cidade. 

Em Salvador, agora à tarde, as ruas já reúnem milhares de manifestantes, como mostra vídeo postado no Twitter.

Camilo Panzera

Em Fortaleza, estudante defende o saber

Mayk Lenno

Mesmo com chuva, estudantes saíram às ruas em Pelotas

Bernardo Vianna

Ato em Jundiaí (SP), na Praça da Matriz

UNE

Em Barbalha (CE), manifestantes também foram defender a educação

A programação de todos atos nas capitais durante à tarde:

Maceió: Praça do Centenário, bairro do Farol, a partir das 13h

Macapá: Praça da Bandeira, no centro, a partir das 15h

Manaus: Praça da Saudade, no centro, a partir das 15h

Fortaleza: Praça da Gentilândia, bairro Benfica, às 14h

Vitória: Teatro da Universidade Federal do Espírito Santo,  na Avenida Fernando Ferrari, às 16h30

Goiânia: Praça Universitária, Setor Leste Universitário, a partir das 15h

São Luís: Praça Deodoro, centro, a partir das 15h

Cuiabá: Praça Alencastro, no Centro Norte, às 14h

Campo Grande: Praça Ary Coelho, no centro, a partir das 15h

Belo Horizonte: Praça Afonso Arinos, no centro , às 17h

Belém: Praça da República, no bairro Campina, às 16h

João Pessoa:  Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a partir das 15h

Curitiba: Praça Santos Antrade, no centro, às 18h

Recife:  Rua Aurora, em Santo Amaro, a partir das 15h

Rio de Janeiro: Candelária, região central, a partir das 15h

Natal: concentração no Midway (Av. Bernardo Vieira, 3.775, Tirol), às 15h

Porto Alegre: Esquina Democrática, no centro histórico, às 18h

Porto Velho: Universidade Federal de Rondônia (UNIR), no centro, às 16h

Boa Vista: Centro Cívico, a partir das 16h

Florianópolis: Praça XV de Novembro, no centro, a partir das 15h.

São Paulo: Largo da Batata, em Pinheiros, a partir das 16h

Aracaju: Praça General Valadão, região central, a partir das 15h

Palmas: Universidade Federal do Tocantins (UFT), às 18h