Home Educação Em São Paulo, professores da rede estadual apoiam greve geral em 15 de maio
Mobilização

Em São Paulo, professores da rede estadual apoiam greve geral em 15 de maio

Categoria decide por paralisação em protesto por reajuste salarial pelo governo estadual, e contra 'reforma' da Previdência de Bolsonaro
Publicado por Redação RBA
10:18
Compartilhar:   
TVT/Reprodução
Greve professores

Anúncio de greve geral foi feito pela presidenta da Apeoesp, a Bebel, durante assembleia nesta sexta (26)

São Paulo – Professores da rede estadual de São Paulo irão paralisar suas atividades no dia 15 de maio. A decisão pela greve geral foi confirmada em assembleia realizada nesta sexta-feira (26), em ato no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo. O anúncio foi feito pela presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, a Bebel, unificando a data com a proposta de paralisação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

A manifestação integra a campanha salarial da categoria, como uma forma também de exigir o reajuste salarial em 14,54% pelo governo de João Doria (PSDB). “O último reajuste que nós tivermos efetivo foi depois da nossa greve de 2010, que nós tivemos 40%. Na época, era o governo do Geraldo Alckmin e, mesmo assim, ele parcelou em quatro vezes e a última parte do reajuste foi em 2014. Depois disso não tivemos mais nada”, critica a professora Clenira Maria Costa em entrevista à repórter Martha Raquel, do Seu Jornal, da TVT.

Em nível federal, os professores também contestaram a “reforma” da Previdência do governo de Jair Bolsonaro. “Ela nos assusta não só pela crueldade, mas também pela falta de valorização dos professores”, afirma a docente Adriana Aparecida Dias. 

Assista à reportagem