Home Educação Em quatro anos, Alckmin gastou R$ 28 milhões da educação com jornais e revistas
'Entre amigos'

Em quatro anos, Alckmin gastou R$ 28 milhões da educação com jornais e revistas

Montante destinado à formação dos professores foi reduzido em 67% entre 2011 a 2014, enquanto repasse a veículos da mídia tradicional manteve-se no mesmo patamar
Publicado por Redação RBA
14:59
Compartilhar:   
Rovena Rosa EBC/Reprodução
Alckmin na educação

Compra de jornais e revistas é justifica como medida para formação e informação dos docentes

São Paulo – Entre os anos de 2011 e 2014, o governador de São Paulo e agora candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) gastou R$ 28 milhões de reais da educação para a compra, sem licitação, de jornais e revistas. Para o vice-presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Roberto Guido, a denúncia, divulgada pelo Diário do Centro do Mundo (DCM) nesta segunda-feira (27), revela “a falta de compromisso histórico” das gestões tucanas com a educação pública.

Os recursos foram destinados ao programa Salas de Leitura, que faz parte da área de formação dos docentes, para a compra de revistas e jornais como Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo, Veja, IstoÉ e Época, das editoras Abril, Três e Globo, respectivamente. No mesmo período, o investimento global na formação dos professores foi reduzido em 67%, sem abalar, contudo, a aquisição das publicações.

“Isso demonstra três coisas: primeiro, a falta de compromisso efetivo com a educação pública do estado de São Paulo por parte dos governos do PSDB. Em segundo lugar, a falta de compromisso com a formação dos professores e, em terceiro, o compromisso que esse governo tem com as empresas corporativas”, avalia Guido em entrevista a Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual.

A compra dos jornais e revistas é justificada como uma espécie de incentivo à formação e informação dos educadores. No entanto, para o vice-presidente da Apeoesp, o argumento é questionável. “Só entendo isso como ajuda entre amigos”, afirma Guido, criticando também a falta de pluralidade dos veículos escolhidos.

Ouça a íntegra da entrevista: