Home Educação Conselho Tutelar critica continuidade de suspensão de aulas em São Bernardo
tucano no abc paulista

Conselho Tutelar critica continuidade de suspensão de aulas em São Bernardo

Ministério Público e Conselho Tutelar recomendaram à prefeitura que retomasse as aulas hoje, mas gestão decidiu manter vacinação e iniciar as aulas somente dia 15
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
13:42
Compartilhar:   
Eduardo Knapp/Folhapress
escola vazia.jpeg

Início das aulas foi adiado por duas semanas para ampliar a campanha de vacinação contra febre amarela na cidade

São Paulo – A prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, decidiu ontem (7) manter a suspensão das aulas em toda a rede para continuar utilizando as escolas como locais de vacinação contra a febre amarela no município. A gestão de Orlando Morando (PSDB) rejeitou as recomendações do Ministério Público e do Conselho Tutelar que pediam a retomada das aulas na manhã de hoje (8). “Tanto Conselho Tutelar como MP apresentaram alternativas para garantir a imunização da população sem manter suspensas as aulas. Infelizmente essa administração tem ido contra os direitos das crianças e dos adolescentes”, afirmou o conselheiro Leonardo Duarte, em vídeo publicado nas redes sociais.

As aulas deviam ter sido retomadas na segunda-feira (5). Porém, com a confirmação de um caso de febre amarela urbana na cidade, a prefeitura decidiu intensificar a campanha de vacinação e utilizar as 102 escolas municipais como postos de vacinação. Com isso, 82 mil crianças estão sem aula. A prefeitura informou que, desde o início da campanha, em 25 de janeiro, vacinou 219 mil pessoas, o equivalente a 30% da meta. Destas 19,8 mil foram vacinadas nas escolas. A campanha vai até o próximo dia 17.

Ontem ocorreu uma reunião entre Ministério Público, representantes da prefeitura e conselheiros tutelares. Entre as recomendações estavam: vacinação porta a porta; ampliação dos postos de vacinação para as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs); utilização das escolas como postos de vacinação no período de recesso do carnaval e aos finais de semana; e solicitação de espaços religiosos e associações comunitárias para realizar a vacinação.

Os representantes da gestão levaram o documento para analisar com o Comitê de Combate à Febre Amarela. “A decisão pela continuidade da vacinação foi proferida pela Administração, em reunião do Comitê de Combate e Prevenção à Febre Amarela – formado por agentes técnicos dos setores da Prefeitura. O Comitê deliberou, por unanimidade, pela continuidade da vacinação nas Escolas Municipais, considerando fatores preponderantes, tais como a gravidade do primeiro caso infectado na cidade, ocorrido na segunda-feira passada, com um homem de 35 anos, morador do Jardim Palermo e que trabalha no Jardim Represa”, informou a prefeitura, em nota.

“No início da noite fomos surpreendidos pela decisão do poder público de manter a suspensão das aulas. Vamos continuar atuando para garantir os direitos de nossas crianças. Entendemos que não havia necessidade de ampliar o número de postos, porque as UBSs estão dando conta. Visitei várias unidades e o tempo de espera pela vacina era baixo, de até 15 minutos. Não havia justificativa plausível para deixar as crianças fora da escola e utilizar as unidades como posto de vacinação”, defendeu Duarte.

Na ultima terça (6), o PT de São Bernardo ingressou com ação judicial pedindo que a prefeitura inicie as aulas imediatamente. O partido considera que a suspensão prejudica alunos, pais e professores, sem benefício efetivo à cidade. Para o PT, o motivo da suspensão é outro: o governo Morando estaria tendo problemas com a licitação da merenda escolar. A ação pede apuração sobre possível crime de responsabilidade e improbidade administrativa. 

O assunto foi reportagem da TVT no sábado