Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2016 / 03 / Apesar de prisões, estudantes paulistas querem avanço na investigação da máfia da merenda

são paulo

Apesar de prisões, estudantes paulistas querem avanço na investigação da máfia da merenda

Secundaristas protestaram hoje (29) também contra cortes na merenda, fechamento de salas e a interferência da secretaria na eleição dos grêmios escolares
por Rodrigo Gomes, da RBA publicado 29/03/2016 16h48
Secundaristas protestaram hoje (29) também contra cortes na merenda, fechamento de salas e a interferência da secretaria na eleição dos grêmios escolares
Fábio Vieira/FotoRua/Folhapress
secundaristas

Os estudantes paulistas querem punição à máfia da merenda e o fim do fechamento de salas e escolas

São Paulo – Durante ato realizado na tarde de hoje (29), em São Paulo, estudantes secundaristas mostraram-se céticos quanto às prisões de sete envolvidos no esquema de corrupção na merenda das escolas estaduais, que investiga auxiliares do governador Geraldo Alckmin (PSDB), servidores de 22 prefeituras paulistas e o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB). “Parece estar mostrando serviço, mas prendendo só peixe pequeno. É uma máfia enorme e precisa de uma CPI para investigar a todos, inclusive o governador Geraldo Alckmin”, defendeu o estudante Gustavo Cibelli.

Para Gustavo, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), na Assembleia Legislativa, teria mais condições de dar transparência ao processo e investigar membros do Legislativo e do governo que estariam envolvidos no esquema, como o ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação de Alckmin Fernando Padula e o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governador Luiz Roberto dos Santos, o Moita. “Hoje tudo está em sigilo e não temos como acompanhar além do que sai nos jornais. Uma CPI nós acompanharíamos dia a dia”, afirmou o estudante.

Na manhã de hoje, a Polícia Civil realizou a prisão do ex-presidente (1975-1976) da Assembleia Legislativa de São Paulo Leonel Julio (pelo antigo MDB). O filho dele, Marcel Ferreira Julio, foi apontado como operador do esquema entre a Cooperativa Orgânica da Agricultura Familiar (Coaf) e o governo Alckmin. Também foram detidos o presidente da União dos Vereadores do Estado de São Paulo, Sebastião Miziara, além dos empresários Aluísio Girardi, Emerson Girardi e Joaquim Geraldo Pereira da Silva, do ex-diretor da Coaf Luiz Carlos da Silva Santos e do vendedor da Coaf Carlos Eduardo da Silva.

“É melhor que prenda, mas não podemos crer que é só tirar alguns corruptos que vai resolver o problema. É uma questão estrutural, envolve pessoas dentro do governo de São Paulo, deputados. É preciso mudar as estruturas do governo, dar transparência, ter gestão participativa”, defendeu o estudante Cauê Borges, da Escola Técnica Estadual São Paulo (Etesp). Ele também acredita que a CPI é importante para ampliar a investigação da máfia da merenda, mas avalia que este não é o caminho para combater o desmonte da educação paulista.

“Nós, estudantes, vamos manter as mobilizações, vamos dialogar com outras escolas e enfrentar essa situação de dentro para fora. Teve fechamento de salas, corte na merenda das escolas, pretendem fechar escolas e agora querem controlar a formação dos grêmios estudantis”, afirmou Cauê. Segundo ele, a proposta da Secretaria da Educação de apoiar a formação de grêmios busca controlar e desmobilizar os estudantes. “Vamos boicotar as eleições previstas para o próximo mês. Não vamos aceitar que nos desorganizem”, avisou.

No ato de hoje, os estudantes saíram da Avenida Paulista e desceram pela Avenida Brigadeiro Luís Antônio, até a Assembleia Legislativa paulista, onde exigiram a instalação de uma CPI na Casa para investigar a máfia da merenda, a reabertura das salas fechadas e a retomada do fornecimento de refeições completas na merenda escolar.

Segundo o secundarista Renan Fonseca, da Etesp, a escola tinha um bandejão com refeições a R$ 5,90. Mas neste ano o espaço não abriu mais porque o contrato com a empresa que o operava não foi renovado. “A escola tinha um projeto de implementar uma cantina no ano passado, mas até agora nada aconteceu. Estamos levando marmita, mas só tem um micro-ondas para a escola toda usar”, afirmou. Os estudantes da Etesp, localizada no Bom Retiro, estudam em tempo integral, das 7h30 às 16h45.

Na Escola Estadual Fernão Dias, em Pinheiros, a cantina está fechada desde o início do ano. A merenda da escola veio decaindo desde o início de 2015, segundo a estudante Rebeca Miranda. “Antes recebíamos uma refeição completa, com arroz, feijão e mistura. Depois passamos a receber bolo e suco ou achocolatado. E neste ano não recebemos mais nenhuma alimentação”, relatou.

Além disso, pelo menos quatro salas foram fechadas e os alunos distribuídos nas demais turmas. “Todo o andar superior foi fechado e nossas salas estão bem mais cheias que no ano passado”, disse Rebeca.