Você está aqui: Página Inicial / Educação / 2015 / 12 / Educador lamenta condução da reorganização do ensino de SP pelo governo Alckmin

críticas

Educador lamenta condução da reorganização do ensino de SP pelo governo Alckmin

Para Luiz Roberto Alves, que integra o Conselho Nacional de Educação, não se pode "puxar orelha" de governo paulista, mas ouvir alunos e comunidade é "vital"
por Cida de Oliveira, da RBA publicado 04/12/2015 09h22
Para Luiz Roberto Alves, que integra o Conselho Nacional de Educação, não se pode "puxar orelha" de governo paulista, mas ouvir alunos e comunidade é "vital"
Arquivo/Universidade Estadual de Londrina
luiz roberto.jpg

Luiz Roberto: "Governo deve entender que aluno é agente, e não apenas objeto, de direitos"

São Paulo – O presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE), professor Luiz Roberto Alves, lamenta a maneira como o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) conduz, desde o início, a política de reorganização da rede no estado de São Paulo. Anunciada em setembro, a reorganização prevê o fechamento de escolas e a extinção do ensino médio, principalmente noturno, em centenas de unidades.

"Não é nosso papel sair dando puxão de orelha, mas não vejo nada de educativo nesse episódio", diz, em manifestação pessoal, e não na condição de conselheiro do CNE, órgão que tem como missão assegurar a participação da sociedade no desenvolvimento, aprimoramento e consolidação da educação nacional de qualidade.

Professor livre-docente na Escola de Comunicações e Artes (ECA/USP) aposentado e professor do programa de Pós-Graduação na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), em São Bernardo, no ABC Paulista, Luiz Roberto é autor de livros sobre educação e cultura, assessor de movimentos sociais e foi secretário de Educação em São Bernardo (1989-1992) e Mauá (2001-2003).

De acordo com ele, faltou ao governo paulista ouvir estudantes, pais e professores e também transparência. "Por que até metade desse ano o governo não dialogou, não fez audiências públicas? E quais são as pesquisas que respaldam os ganhos pedagógicos com a medida que o governo fala?", questiona. "Há pesquisa fascista em todo lugar. É preciso conhecer as pesquisas, os objetivos, como foi feita, por quem e com qual objetivo".

De acordo com o conselheiro, muito se questiona sobre o posicionamento do órgão a respeito da crise paulista, com as crescentes manifestações de estudantes. "O conselho se manifesta caso acionado por outras instâncias, como conselhos municipais e estaduais. No caso, seria o estadual de São Paulo, mas é claro que este não se levanta contra política do governo", diz.

Luiz Roberto demonstra preocupação sobretudo com os riscos a que estão expostos os estudantes. "E se um menino for morto? E se morrerem mais? Que tragédia. Que marca teremos? Não haveria nenhum risco se tivesse havido diálogo, se os estudantes tivessem sido ouvidos."

Conforme ele, as consequências da maneira como o governo conduz sua política de reorganização já começam a aparecer. "A menina está correndo risco. E o jovem perde senso do tempo quando está chateada e triste, como agora, que vai ficar sem seus professores, sem sua escola. A perda é irreparável. A desconfiança em relação ao governo está colocada."

Para o conselheiro, o governo foi às últimas consequências com o decreto, publicado terça-feira (1º). "O decreto fecha tudo. Termina com as desocupações e seus riscos, inclusive à saúde dos alunos. Não estou vendo nenhum processo educativo nesse episódio", lamenta Luiz Roberto Alves. "O governo deveria entender que, depois do Estatuto da Criança e do Adolescente, os meninos são agentes de direitos, e não apenas objetos. Teria sido vital o governo ouvi-los".

O Conselho Estadual de Educação foi procurado, mas não atendeu à reportagem.