Home Educação Secretário da Educação diz que governo de São Paulo não faz escolas por falta de terreno

Secretário da Educação diz que governo de São Paulo não faz escolas por falta de terreno

Publicado por raoniscan
19:17
Compartilhar:   

São Paulo – O secretário da Educação de São Paulo, Herman Voorwald, atribuiu à falta de terrenos disponíveis o fato de o governo não construir novas escolas no estado.  Voorwald chegou a criticar o programa federal Minha Casa Minha Vida por somente construir casas e não prever as demais estruturas necessárias a uma comunidade.

“A necessidade é de construção de escolas, mas não tem terreno. Não faço mais escolas por falta de terreno. O país não planeja”, reclamou o secretário. Herman participou de uma audiência pública hoje (23), na Assembleia Legislativa, diante de cerca de 300 profissionais da educação.

O presidente da Comissão de Educação, deputado Simão Pedro (PT), concordou que falta planejamento das esferas de poder. Mas responsabilizou a falta de integração entre os planejamentos dos municípios e do estado para o setor. “As prefeituras precisam planejar e a Secretaria de Educação precisa interagir, senão a população vai sendo jogada para as regiões mais distantes e o sofrimento vai ficar maior”, disse.

Jornada do piso

A presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, o governo estadual por recorrer contra uma decisão do Tribunal de Justiça que determina que 33% da jornada dos educadores seja destinado para atividades fora da sala de aula. “A Justiça nos deu razão, mas a secretaria entrou com um instrumento protelatório, e a decisão virá do Superior Tribunal Federal”, explicou a dirigente.

Maria Izabel questionou  o não pagamento dos 10,2% de reajuste previstos para este ano. Segundo a presidenta da Apeoesp, o governo utilizou uma “manobra”, que acabou subtraindo do reajuste uma gratificação de 5%. “Quando o projeto de lei veio para cá, eles somaram o aumento com a GAM, então de aumento veio mesmo somente 5,2%”, explicou.

O secretário-geral do Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação (Afuse), João Marcos, reclamou também dos baixos pisos salariais oferecidos à categoria, que atualmente está firmada entre R$ 981 e R$ 1.137: “São Paulo é um dos estados mais ricos do país e o piso salarial é um dos mais baixos”.

Simão Pedro concordou que há desvalorização na categoria, mas preferiu adotar uma postura otimista. “Daquele desastre que foi a relação entre o ex-governador José Serra, que foi uma relação de truculência, nós avançamos muito para o processo de negociação. Temos que reconhecer isso, mas ainda não é suficiente”, disse.

A presidenta da Apeoesp informou que no dia 15 de junho será realizada assembleia dos profissionais de educação. “O que vai valer é nossa pressão na rua.”

registrado em: , ,