Varejo

Depois de queda, vendas no comércio esboçam reação em abril

Setor registrou crescimento e tem resultado positivo também no ano

Reprodução
Vendas aumentaram sobre abril de 2020, mas base de comparação é ruim

São Paulo – De março para abril, as vendas no comércio varejista cresceram 1,8%, segundo o IBGE, depois de cair no mês anterior. Na comparação com abril do ano passado – prejudicada pela base fraca –, houve aumento de 23,8%. De acordo com o instituto, que divulgou os resultados nesta terça-feira (8), o volume de vendas cresce 4,5% no ano e 3,6% em 12 meses.

Sete das oito atividades de vendas no comércio pesquisadas tiveram alta em abril. O IBGE destaca móveis e eletrodomésticos (24,8%) e tecidos, vestuário e calçados (13,8%), entre outros. A única queda veio do segmento que inclui hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: -1,7%%.

:: Tributar super-ricos tornará Brasil menos desigual. Banco pode pagar mais

No chamado varejo ampliado, as vendas de veículos/motos e partes/peças crescem 20,3% no mês e as de material de construção, 10,3%. Ambos haviam registrados quedas em março. Esse setor cresceu 41% sobre abril, 9,2% no ano e 3,5% em 12 meses, aponta o IBGE.

Recuperação de perdas

Ainda em relação a abril do ano passado, o instituto também apurou taxa positiva em sete das oito atividades. A que mais cresceu foi a de “outros artigos de uso pessoal e doméstico” (que inclui itens como utensílios de cozinha e limpeza), com alta recorde de 104,4%. “O setor foi um dos que registraram as maiores perdas de março a maio de 2020, que marca o início da pandemia de Covid-19 no Brasil”, diz o IBGE. O acumulado do ano é de 27,6% e em 12 meses, de 13,7%.

Já o setor de veículos e motos cresceu 132,1% sobre abril de 2020. Assim, acumula alta de 17,7% no ano, mas ainda tem queda nos últimos 12 meses (-3,7%).

:: Privatização da Eletrobras ameaça investimentos e agrava risco de apagão


Leia também


Últimas notícias