Sem retomada

Com queda nas vendas de combustíveis, varejo recua no primeiro bimestre de 2021

De janeiro para fevereiro, houve ligeira alta, de 0,6%, mas na soma dos primeiros dois meses retração é de 2,1%

Reprodução
Com sucessivos aumentos de preço, combustíveis têm queda nas vendas

São Paulo – As vendas no comércio varejista cresceram 0,6% de janeiro para fevereiro, informou o IBGE nesta terça-feira (13). Mas caem 2,1% nos dois primeiros meses do ano, com forte retração no comércio de combustíveis, que vem registrando seguidos aumentos de preço. Em 12 meses, a variação fica perto da estabilidade (0,4%).

O chamado varejo ampliado, que inclui as vendas de veículos, motos e peças, subiu 8,8% no mês, mas acumula retração de 10,1% no ano e de 15,9% em 12 meses. Já o segmento de material de construção tem altas de 2%, 14,3% e 13%, respectivamente. E as vendas de combustíveis caem 0,4% no mês, 10,4% em relação a fevereiro de 2020, 9,1% no ano e 11,1% em 12 meses.

Ainda de janeiro para fevereiro, o grupo que inclui hiper e supermercados teve leve alta, de 0,4%. No primeiro bimestre, cai na mesma proporção (-0,4%). Em 12 meses, cresce 5,8%.

O segmento de tecidos, vestuário e calçados teve resultado positivo em fevereiro, com alta de 7,8%. Mas acumula quedas expressivas tanto no bimestre (-19,9%) como em 12 meses (-25,4%). Por sua vez, a área de produtos médicos e farmacêuticos registrou pequena retração no mês (-0,2%), mas cresce 10,9% em 2021 e 8,9% no acumulado em 12 meses.

Na comparação com fevereiro do ao passado (-3,8%), o IBGE apurou queda em cinco das oito atividades pesquisadas. Destaque para hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-4,6%) e vestuário (-18,6%).


Leia também


Últimas notícias