Outra baixa

Presidenta do IBGE pede a conta depois de Congresso ratificar corte orçamentário

Nota do IBGE informa que presidenta indicada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, alegou motivos de ordem pessoal e familiar para sair

Reprodução
Para IBGE, corte de 88% inviabiliza realização do censo neste ano

São Paulo – Em nota de apenas duas linhas, o IBGE afirma que a presidenta do instituto, Susana Cordeiro Guerra, pediu exoneração nesta sexta-feira (26). De acordo com o texto, ela alegou “motivos pessoais e de família”. Ainda segundo o IBGE, Susana “continuará no cargo até a transição para o novo presidente a ser indicado”.

Na manhã de hoje, o IBGE havia divulgado outra nota, comentando o corte orçamentário para o censo demográfico previsto para este ano. Na véspera, o Congresso confirmou a redução de 88% no valor previsto para a realização da pesquisa. Diante disso, a direção do instituto informou que solicitaria informações ao Ministério da Economia “sobre os procedimentos no tocante à operação censitária”. Por lei, o censo deve ser realizado a cada 10 anos. O de 2020 foi suspenso em consequência da pandemia.

No início da semana, o instituto havia afirmado que a redução proposta, e agora confirmada, tornaria o censo inviável. Do valor inicial de R$ 2 bilhões, restaram apenas R$ 240 bilhões. Com apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, a agora presidenta demissionária assumiu a direção do IBGE em 2019.