Varejo

Vendas crescem em agosto, mas movimento no ano é negativo

De janeiro a agosto, varejo mostra oscilação. Cresce movimento nos supermercados e caem vendas de combustíveis

Reprodução/Montagem RBA
Vendas cresceram no supermercados de janeiro a agosto, mas vestuário tem retração

São Paulo – O volume de vendas no comércio varejista cresceu 3,4% de julho para agosto e 6,1% em relação a igual mês de 2019, segundo informou hoje (8) o IBGE, e chegou ao maior nível da série. Mas no acumulado do ano ainda está negativo (-0,9%). Em 12 meses, tem ligeira alta (0,5%).

Quando se inclui o chamado varejo ampliado (veículos, motos, partes e peças e material de construção), as vendas crescem 4,6% sobre julho e 3,9% em relação a agosto do ano passado. Mas recua 5% no ano e 1,7% em 12 meses.

No mês, o instituto apurou alta em cinco das oito atividades pesquisadas, com destaque para tecidos, vestuário e calçados (30,5%). O setor de móveis e eletrodomésticos cresceu 4,6% e o de equipamentos para escritório e informática, 1,5%. Entre as quedas, destaque para hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,2%). No ampliado, veículos/motos teve crescimento de 8,8% e material de construção, de 3,6%.

Na comparação com agosto de 2019, o IBGE registrou a mesma quantidade de variações positivas e negativas. As vendas de móveis e eletrodomésticos subiram 36,3%, enquanto as hipermercados/supermercados aumentaram 3% e as de artigos farmacêuticos/médicos e de perfumaria e cosméticos, 8,8%.

No acumulado do ano, até agosto, as vendas em hipermercados/supermercados crescem 13,5% e as de combustíveis e lubrificantes recuam 13,7%. Tecidos, vestuário e calçados têm forte queda (-33,5%), assim como veículos/motos (-26,9%). Móveis e eletrodomésticos registram alta de 5%, artigos farmacêuticos têm alta de 6,2% e material de construção, de 6,9%.