Caiu de novo

Com a economia no chão, Copom reduz taxa de juros para 2%

Cenário externo segue “desafiador”, diz o BC. No Brasil, “os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social permanecem deprimidos”

Reprodução
Comitê do Banco Central promoveu o nono corte seguido na taxa básica de juros do Brasil, a Selic

São Paulo – Em reunião encerrada no início da noite desta quarta-feira (5), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu em 0,25 ponto a Selic. A taxa básica de juros do país caiu para 2% ao ano. Mais uma vez, a decisão, esperada pelos analistas, foi unânime. Nesse que foi o nono corte seguido, o Copom mostrou preocupação com o cenário econômico. Segundo comunicado divulgado logo após o anúncio da decisão, o Comitê observa que a pandemia “continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão”. Assim, apesar de alguns sinais “promissores”, como assinala, “o ambiente para as economias emergentes segue desafiador”.

No caso do Brasil, de acordo com o BC indicadores sugerem recuperação parcial. “Os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social permanecem deprimidos, apesar da recomposição da renda gerada pelos programas de governo. Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais.”

As projeções para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano ficam em no mínimo 5%. Como sempre, o BC inclui no comunicado a defesa de reformas. “O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia”, afirma.