Quase 13 milhões

Em três meses, país perde 5 milhões de ocupados e tem 900 mil desempregados a mais

Além da perda de postos de trabalho, pesquisa do IBGE acumulou recordes negativos: queda na ocupação, subutilização, desalento

Reprodução SBT
Desta vez, nem o mercado informal conseguiu amenizar a situação do emprego

São Paulo – A taxa de desemprego manteve tendência de alta no trimestre encerrado em abril e foi a 12,6%, ante 11,2% em janeiro, informou o IBGE na manhã desta quinta-feira (28). O número de desempregados foi estimado em 12,811 milhões, 898 mil a mais em um intervalo de três meses, crescimento de 7,5%. Nesse período, o total de ocupados (89,241 milhões) caiu 5,2% – menos 4,910 milhões de pessoas empregadas no país. Foi uma queda recorde, assim como na comparação com abril de 2019: 3,124 milhões de ocupados a menos (-3,4%).

Outro recorde negativo foi atingido no nível de ocupação, que mede o percentual de ocupados entre a população em idade de trabalhar. Essa taxa caiu para 51,6% no mês passado, a menor da série histórica, iniciada em 2012.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua acumulou dados negativos abril, além do desemprego. A chamada taxa de subutilização, que inclui pessoas que gostariam de trabalhar mais, chegou a 25,6%, mais um recorde, assim como o número de subutilizados, que somou 28,675 milhões. A população fora da fora de trabalho (70,926 milhões) também atingiu seu maior número.

Desalento atinge 5 milhões

Mais um recorde foi batido entre os desalentados: eles chegaram a 5,026 milhões, crescimento de 7% no trimestre. O percentual de desalentados na força de trabalho foi de 4,7% (recorde).

Estimado em 32,207 milhões, o número de empregados com carteira assinada no setor privado é o menor da série histórica da Pnad, com queda de 4,5% no trimestre e de 2,8% em relação a igual período do ano passado. E o de empregados sem carteira, 10,126 milhões, também caiu – 13,2% e 9,7%, respectivamente.

Da mesma forma, somado ao desemprego de trabalhadores em abril, o instituto registrou queda no total de trabalhadores por conta própria (23,379 milhões). A redução foi de 4,9% ante janeiro e de 2,1% em um ano. Mesmo o número de empregados (4,201 milhões) caiu, 5,1%, com menos 226 mil no trimestre, mantendo-se estável em relação a 2019.

Também diminuiu o total de trabalhadores domésticos (5,524 milhões). A redução foi significativa: -11,8% no trimestre (corte de 736 mil vagas) e -10,1% na comparação anual (menos 623 mil).

Só houve aumento entre os empregados no setor público, categoria que inclui servidores estatutários e militares: 3,3% no trimestre (acréscimo de 379 mil) e 3,9% em um ano (442 mil). Eles somam 11,904 milhões).

Informalidade e rendimento

O IBGE calculou a taxa de informalidade em 38,8% da população ocupada. Houve redução tanto no trimestre (40,7%) como na comparação com abril de 2019 (40,9%). São 34,6 milhões de trabalhadores informais, o menor número da série.

De oito setores pesquisados, houve queda em sete. A exceção foi o grupo Administração Pública, Defesa, Seguridade Social, Educação, Saúde Humana e Serviços Sociais, com alta de 1,8%. (1,8%). A indústria, por exemplo, caiu 5,6%, com fechamento de 685 mil vagas. E a construção recuou 13,1% (menos 885 mil), enquanto o comércio/reparação de veículos registrou retração de 6,8%, cortando 1,218 milhão de postos de trabalho.

O rendimento médio foi estimado em R$ 2.425, aumento de 2% no trimestre e de 2,5% em 12 meses. A massa de rendimentos, calculada em R$ 211,628 bilhões, caiu 3,3% em relação a janeiro e ficou estável em relação a abril do ano passado.


Leia também


Últimas notícias