Sem pesquisas

IBGE suspende coleta de dados para pesquisa de inflação. Censo é adiado

Devido à crise provocada pelo coronavírus, pesquisadores também não irão à rua para realizar pesquisa sobre desemprego

Arquivo/IBGE
Censo demográfico começaria em 1º de agosto, atingindo 71 milhões de domicílios

São Paulo – O IBGE informou que suspendeu a coleta presencial de preços para cálculos de índices de inflação, como o IPCA e o INPC. Segundo o instituto, a medida segue orientações do Ministério da Saúde “relacionadas ao quadro de emergência de saúde pública” causado pelo coronavírus. O Censo foi transferido para 2021.

A decisão afeta a divulgação de IPCA, INPC, IPCA-15 e IPCA-E (trimestral), além do Sistema Nacional de Pesquisas de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi). “O IBGE segue estudando alternativas para a realização da pesquisa de modo que não envolvam a coleta de preços, presencialmente, nos locais de compra”, diz o instituto, em comunicado.

“Toda e qualquer opção ou possibilidade serão, antes, testadas e validadas para assegurar os padrões de qualidade e excelência do corpo técnico do IBGE, tendo em vista a série histórica dos dados”, acrescenta a direção do instituto, que na véspera já havia anunciado a suspensão da coleta domiciliar para a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que traz os resultados do mercado de trabalho.

O IBGE informou ainda que “em breve” anunciará o novo cronograma do Censo Demográfico, que envolveria 180 mil recenseadores em aproximadamente 71 milhões de domicílios. O processo começaria em 1º de agosto e levaria três meses.

“Para a realização da operação censitária em 2021, o IBGE estabeleceu formalmente com o Ministério da Saúde o compromisso de realocar o orçamento do Censo 2020 em prol das ações de enfrentamento ao coronavírus, mantidas por aquele Ministério”, diz o instituto. “Em contrapartida, no próximo ano, o Ministério da Saúde realocará orçamento no mesmo montante com vistas a assegurar a realização do Censo pelo IBGE.”