Nesta sexta

Petroleiros promovem atos contra fechamento de fábrica de fertilizantes da Petrobras

Decisão da estatal afetará a vida de mil famílias e terá impacto econômico importante na região paranaense de Araucária

Sindipetro/PR-SC
Segundo os sindicalistas, o fechamento da unidade afetará a vida de mil famílias de trabalhadores da unidade

São Paulo – A Federação Única dos Petroleiros (FUP) promove, nesta sexa-feira (17), um ato nacional em Araucária, região metropolitana de Curitiba, em frente à Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen). A unidade está em vias de ser fechada pela Petrobras. A companhia já anunciou a demissão sumária de cerca de mil trabalhadores. Petroleiros de todas as unidades da estatal do estado participam da manifestação. O ato será às 6h30, no Km 16 da Rodovia do Xisto.

Serão realizadas também manifestações em unidades Petrobras em vários locais do país contra o fechamento da importante Fafen-PR.  “A luta é para preservar os empregos e direitos dos trabalhadores e manter a unidade funcionando, pois não há justificativas para o fechamento da fábrica”, afirma o diretor da FUP Gerson Castellano, funcionário da Araucária Nitrogenados e diretor do Sindiquímica-PR.

Segundo os sindicalistas, além de afetar a vida de mil famílias de trabalhadores da unidade, o fechamento terá impacto econômico importante na região.

A gestão da estatal justifica o fechamento da unidade dizendo que ela dá prejuízo. “É mentira”, contesta Castellano. “A gestão da empresa fez uma escolha de encarecer a própria matéria-prima para produzir os fertilizantes. Foi uma decisão política e não técnica”, afirma.

O presidente do Sindipetro-PR/SC, Mário Dal Zot, também desmente o argumento. Ele afirma que a companhia faz manobras contábeis como pretexto para o fechamento da Fafen-PR. “Isso (o prejuízo) não acontece em hipótese alguma, pois a fábrica utiliza como matéria prima o RASF, um refugo da Repar (refinaria da Petrobras em Araucária), ao qual agrega valor, transformando em ureia, um fertilizante do qual o Brasil é extremamente dependente.”

A política do governo para a Petrobras no Paraná tem repercussão direta na queda da produção industrial do estado, revelada pela pesquisa do IBGE divulgada na terça-feira (14). Segundo a pesquisa, a produção industrial paranaense recuou 8,0% em novembro. De acordo com o IBGE, a queda significativa se deve à redução na produção de derivados de petróleo (refino) e na produção de veículos automotores.

Inaugurada em 1982, a Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) tem capacidade de produção diária de 1.975 toneladas de ureia, 1.303 toneladas de amônia, entre outros produtos. Com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome, segundo a FUP. Além disso, o país se tornará dependente da importação de ARLA 32, um reagente químico usado para reduzir a poluição ambiental produzida por veículos automotores pesados.