Acelerado

Preços de alimentos sobem, com destaque para carne, e ‘prévia’ da inflação dispara

Taxa de 1,05% em dezembro foi a maior para o mês em quatro anos. Indicador fechou o ano em 3,91%

ebc
De acordo com o IBGE, a alta na alimentação se explica, principalmente, pelo aumento dos preços das carnes: 17,71%, com impacto de 0,48 ponto no índice geral

São Paulo – Com os preços dos alimentos em alta, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), “prévia” da inflação oficial, variou 1,05% em dezembro, muito acima do mês anterior (0,14%). Foi o maior resultado mensal em um ano e meio e o mais alto para o mês desde 2015. Com isso, o indicador fechou o ano em 3,91%, segundo informou o IBGE na manhã desta sexta-feira (20).

O grupo Alimentação e Bebidas subiu 2,59%  e representou impacto de 0,63 ponto percentual na taxa do mês. Em seguida, Despesas Pessoais, com variação de 1,74%, e Transportes, com 0,90% e contribuição de 0,16 ponto. Dos nove grupos, só Artigos de Residência teve deflação (-0,84%).

De acordo com o IBGE, a alta na alimentação se explica, principalmente, pelo aumento dos preços das carnes: 17,71%, com impacto de 0,48 ponto no índice geral. Também registram alta itens como feijão carioca (20,38%) e frutas (1,67%). Caíram os preços de batata inglesa (-9,33%) e cebola (-7,18%). Comer fora ficou 0,79% mais caro, em média, com altas de 1,09% no lanche e 0,90% na refeição.

Em Despesas Pessoais, o instituto destaca o item jogos de azar, com variação de 36,99% e impacto de 0,16 ponto. Houve reajustes nos preços de apostas lotéricas.

No grupo Transportes, as passagens aéreas subiram 15,63% neste mês e responderam por 0,07 ponto. Além disso, aumentaram os preços da gasolina (1,49%) e do etanol (3,38%), que já haviam tido alta em novembro. Os combustíveis passaram de 1,07%, no mês passado, para 1,76%. O instituto apurou ainda altas nos ônibus interestaduais (1,06%) e intermunicipais (0,04%).

Com alta de 0,25%, o grupo Habitação teve aumentos no aluguel residencial (0,50%) e no condomínio (0,65%), acima de novembro. A energia elétrica caiu (-0,12%, menos do que no mês passado). Houve queda também no gás encanado (-0,18%). E elevação na taxa de água e esgoto (0,34%) e no gás de botijão (0,32%).

Artigos de Residência teve deflação com preços menores de itens de TV, som e informática (-2,09%) e de mobiliário (-1,16%).

Todas as áreas pesquisadas tiveram alta neste mês. O IPCA-15 variou de 0,60% (região metropolitana de Recife) a 1,72% (Belém). Na Grande São Paulo, a taxa foi de 0,88%. Em 12 meses, o índice vai de 3,33% (Brasília e Recife) a 5,15% (Belém), chegando a 4,15% em São Paulo e a 3,61% no Rio de Janeiro.

O IPCA e o INPC de dezembro, com o resultado final do ano, serão divulgados em 10 de janeiro.

 

.