Barbeiragem

Erro em dados levará IBGE a recalcular PIB do terceiro trimestre

Revisão será anunciada apenas em março. Servidores chamam atenção para "precariedade orçamentária e do desmonte do quadro de pessoal dos órgãos técnicos"; economista critica procedimento

Reprodução
Falha de sistema, segundo o governo, levou a alterações nos dados sobre exportações em setembro, outubro e novembro, o que terá impacto no cálculo do PIB, mas sem 'alterações significativas'

São Paulo –Divulgado na última terça-feira (3), o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre já vai ser revisto, informa o IBGE, que publicou nota técnica para explicar os motivos da revisão. O procedimento é normal em dados estatísticos, mas erros em informações da balança comercial e a publicação de uma reportagem do Financial Times chamaram a atenção de observadores e causaram preocupação dentro e fora do governo. No caso do resultado do terceiro trimestre, a Diretoria de Pesquisas do instituto informa que fará revisão devido a “modificação nos dados de exportações de bens de setembro, publicados pela Secretaria de Comércio Exterior”. Mas diz que as estimativas “não sofrerão alterações significativas”.

O PIB cresceu 0,6% do segundo para o terceiro trimestre e, segundo o IBGE, está no mesmo patamar de 2012. “A taxa ainda está 3,6% abaixo do pico da série, atingido no primeiro trimestre de 2014, e 4,9% acima do ponto mais baixo, registrado no quarto trimestre de 2016”, afirma o instituto.  Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, o PIB avançou 1,2%. Em 12 meses, sobe 1%, índice que deve espelhar o resultado final deste ano.

O dado da balança comercial foi revisado duas vezes recentemente. No início da semana, o governo informou que a alegada falha de sistema, que havia levado a uma correção nos números de novembro, atingiu também os resultados dos dois meses anteriores. Uma diferença, no total, próxima de US$ 6,5 bilhões em exportações a mais. De acordo com o Ministério da Economia, a falha aconteceu durante a coleta e transmissão de dados, cuja responsabilidade é do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Desmonte

“Embora não recaia sobre o IBGE nenhuma suspeita ou dúvida sobre a capacidade técnica, o ocorrido nos causa preocupação”, afirma, em nota, o sindicato de servidores do instituto (Assibge). “A falha nos dados da Secex pode ser resultado do processo da precariedade orçamentária e do desmonte do quadro de pessoal dos órgãos técnicos, processo que também vitima o IBGE e representa um risco real ao sistema estatístico nacional.  Além disso, é preciso lembrar que o governo pretende privatizar o Serpro e a destruição do órgão serve a esse propósito”, acrescenta a entidade, observando que o jornal britânico “não apontou manipulação de dados, e sim um contexto de precarização técnica”.

O IBGE publicará a revisão quando for feita a divulgação referente ao quarto trimestre de 2019, em 4 de março do ano que vem. Para o terceiro trimestre, deverá considerar o novo dado de setembro, quando as exportações somaram US$ 20,3 bilhões – e não US$ 18,9 bilhões, como informado inicialmente.

Ao jornal Valor Econômico, o ex-chefe de Contas Nacionais do IBGE Claudio Considera, hoje na Fundação Getúlio Vargas (FGV), afirmou que, embora as mudanças devam ser pequenas, o instituto deveria ter adiado a divulgação do PIB do terceiro trimestre. “É um dado oficial do país que está errado. E não se faz isso. Não importa se está muito ou pouco errado. E isso num quadro extremamente delicado para a produção de estatísticas neste país com o governo do presidente Bolsonaro”, declarou o economista.

 

Leia também

Últimas notícias