Home Economia Fundação Seade: desigualdade racial é marcante no mercado de trabalho em São Paulo
Injusto

Fundação Seade: desigualdade racial é marcante no mercado de trabalho em São Paulo

Proporção de negros é maior entre os desempregados e os subocupados
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
14:14
Compartilhar:   
Reprodução/CUT.ORG.BR

De acordo com a Fundação Seade, as 'piores situações' no mercado de trabalho referem-se às mulheres (principalmente as negras) e aos jovens

São Paulo – “A desigualdade racial é marcante no mercado de trabalho paulista, fato que também se observa no âmbito nacional”, diz a Fundação Seade, que divulgou estudo às vésperas do Dia da Consciência Negra, que se celebra nesta quarta-feira (20). Segundo a entidade vinculada ao governo estadual, o desemprego e a subocupação são mais intensos entre a população negra.

Na região metropolitana de São Paulo, por exemplo, há uma maior proporção de desempregados negros. No interior, de subocupados. O levantamento também mostra maior proporção de negros em ocupações não formais. No caso dos trabalhadores com nível superior, eles recebem menos promoções profissionais.

Em 2017/2018, a taxa de desemprego entre os negros no estado de São Paulo era de 15,3%, ante 10,8% dos não negros. Apenas na região metropolitana, chega a 16,3%, ante 12,2%. No estado sem região metropolitana, essas taxas eram de 14,1% e 9,7%, respectivamente. “Vale ressaltar que as piores situações no mercado de trabalho referem-se às mulheres, em especial as negras, e aos jovens”, lembra o Seade, que usa dados próprios e do IBGE.

De 2012/2013 para 2017/2018, o total de negros ocupados no estado cresceu 16,5%. Já o de desempregados aumentou 126,5% e o de subocupados, 69,3%.

Leia mais

Taxa de desemprego é ainda maior para trabalhadores negros e mulheres