Home Economia Brasil tem queda nas exportações em 2019. Saldo comercial despenca, com projeção para baixo
Efeito Bolsonaro?

Brasil tem queda nas exportações em 2019. Saldo comercial despenca, com projeção para baixo

De janeiro a setembro, vendas brasileiras ao exterior caíram 6%. O saldo é 19% menor, e estimativa indica queda de 28% no fechamento do ano
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
19:58
Compartilhar:   
MDIC

Exportações brasileiras somam US$ 167,4 bilhões de janeiro a setembro, queda de 6% em relação a 2018

São Paulo – De janeiro a setembro, as exportações brasileiras somaram US$ 167,379 bilhões, queda de 6% em relação a igual período de 2018, informou hoje (1º) o Ministério da Economia, por meio da Secretaria de Comércio Exterior. O saldo comercial é 19% menor, caindo de US$ 41,737 bilhões para US$ 33,790 bilhões. Com base na média diária, o recuo é de 19,5%. Segundo o jornal Valor Econômico, o governo já revisa para baixo, para US$ 41,8 bilhões, sua estimativa de superávit no ano, o que significaria retração de 28%.

Houve diminuição das vendas nas três categorias: manufaturados (-8%), semimanufaturados (-5%) e básicos (-1,2%). No primeiro grupo, estão itens como veículos de carga (-40,2%), automóveis de passageiros (-33,7%), plataforma para extração de petróleo (-32,3%) e autopeças (-17,7%). No segundo, destaque para óleo de soja em bruto (-35,4%), couros e peles (-20,6%) e açúcar em bruto (-20,1%), entre outros. Nos básicos, caiu a receita com exportação de soja em grãos (-22,3%), farelo de soja (-16,5%), minério de cobre (-15,6%), petróleo em bruto (-4,6%).

Já as importações somam US$ 133,589 bilhões nos nove primeiros meses do ano. Também com base na média diária, houve recuo de 1,8% em relação a 2018.

Em 12 meses, de outubro do ano passado até setembro último, as exportações brasileiras caíram 1,1% e as importações cresceram 1,9%. O saldo recuou 9,7%.

Ainda no acumulado do ano, em relação a 2018, as vendas para o Mercosul caíram 34,2%, sendo 39,3% no caso da Argentina. Houve também recuo para União Europeia (-9%) e Ásia (-1,7%, chegando a -3,4% no bloco China, Hong Kong e Macau). Cresceram as exportações para os aliados Estados Unidos (5,1%) e Oriente Médio (17,3%).

Os principais destinos das exportações brasileiras, no ano, são China, Hong Kong e Macau (US$ 48,037 bilhões), Estados Unidos (US$ 21,801 bilhões), Países Baixos (US$ 8,084 bilhões), Argentina (US$ 7,474 bilhões) e Chile (US$ 3,830 bilhões). Os países que mais vendem para cá são China, Hong Kong e Macau (US$ 27,094 bilhões), Estados Unidos (US$ 22,536 bilhões), Alemanha (US$ 7,833 bilhões), Argentina (US$ 7,815 bilhões) e Coreia do Sul (US$ 3,670 bilhões).

Apenas em setembro, a exportação somou US$ 18,740 bilhões, retração de 11,6% na comparação com igual mês do ano passado. As importações (US$ 16,494 bilhões) cresceram 5,7%. O saldo (US$ 2,246 bilhões) teve forte queda, de 59,9% pela média diária.