Home Economia Redução nos impostos de insumos agrícolas garante privilégio do agronegócio
Desproporcional

Redução nos impostos de insumos agrícolas garante privilégio do agronegócio

Renúncia fiscal de R$ 40 bilhões no ICMS beneficia grandes produtores e exportadores, que contribuem pouco na arrecadação tributária do país, segundo defensor público
Publicado por Redação RBA
13:51
Compartilhar:   
Arquivo EBC
Renúncia fiscal agronegócio

“Nós estamos subsidiando a produção de alimentos no país”, critica o defensor público Marcelo Novaes

São Paulo – Para o defensor público e ex-coordenador do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos Marcelo Novaes, o convênio que reduziu em R$ 40 bilhões no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para agricultores é uma forma de privilegiar, sobretudo, o agronegócio. “Lamentavelmente essa é a realidade. Um programa que existe desde 1997 e representa uma renúncia fiscal, uma verdadeira caixa preta”, avalia Novaes em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, na edição desta terça-feira (16).

A crítica do defensor tem por base a prorrogação do benefício concedido no início deste mês pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) ao setor de insumos agropecuários que, por mais um ano, terão a base de cálculo reduzida do ICMS sobre o transporte interestadual e ficarão isentos do imposto no deslocamento interno.

Os estados avaliam que o benefício prejudica os caixas públicos, mas o agronegócio defende que a medida é importante para a balança comercial e para que os alimentos não sofram aumento, o que Novaes contesta. “É um setor extremamente privilegiado, principalmente o agronegócio mas não para o pequeno e médio produtor que estão asfixiados”, explica o defensor, em referência aos grandes produtores do campo.

“Toda a receita tributária do país, se a gente colocasse numa cesta, o setor agropecuário e de celulose, representaria 0,2% dos tributos arrecadados”, explica. “O Brasil noticia que o agronegócio exportou U$ 96 bilhões no ano de 2017. A um câmbio de R$ 3,50 isso vai dar, praticamente, R$ 340 bilhões, sendo que o imposto de exportação foi de R$ 38 mil reais, o preço de um carro popular seminovo. Um escândalo, porque nós estamos subsidiando a produção de alimentos no país”, analisa o defensor público.

Ouça a entrevista na íntegra