Lucro para União

Lucros de empresas públicas alvos de privatização cresceram 132% em 2018

Principais empresas federais lucraram R$ 74 bilhões. Diretor do Dieese observa que, além de proporcionar dividendos aos cofres públicos, empresas são estratégicas ao desenvolvimento

Arquivo EBC
Banco do Brasil

Na lista do processo de desestatização, Banco do Brasil é um dos alvo do governo Bolsonaro

São Paulo – As principais estatais federais, alvos de privatização do governo Bolsonaro, registraram crescimento de 132% em 2018, um lucro líquido na ordem de R$ 74 bilhões, segundo o jornal Valor Econômico. O secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério da Economia, Fernando Soares, atribui o desempenho das estatais a um processo de redução das despesas e vendas dos ativos, conduzido desde 2016.

Se forem alvos de uma política de privatizações, no entanto, conforme desejo já anunciado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, o Estado perderia, além desse importante volume de recursos em forma de dividendos, ferramentas importantes para impulsionar a economia, alerta o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio BrasilAtual, sobre empresas públicas como Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Federal, BNDES, Correios e Eletrobrás, entre outras.

Ao pretender abrir mão do controle público de setores estratégicos, o Brasil atua em descompasso com o processo de reestatização pelo qual passam os países mais desenvolvidos, de acordo com estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“Se a gente está abrindo mão desses instrumentos, nós estamos abrindo mão da capacidade do Estado e do governo de coordenar e conduzir o processo de desenvolvimento econômico”, alerta Clemente.

Ouça a entrevista